FTT - Futebol de Todos os Tempos

ENTREVISTAS COM EX JOGADORES, TECNICOS, DIRETORES E PESSOAS LIGADAS AO FUTEBOL QUE CONTRIBUIRAM DE ALGUMA FORMA PARA QUE PUDESSEMOS CONHECERMOS UM POUCO MAIS DA HISTORIA DO FUTEBOL BRASILEIRO E MUNDIAL.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

O Craque disse e eu anotei - EVALDO

Evaldo foi daqueles jogadores que dedicaram sua vida praticamente a dois clubes. Muito franco coloca seus pontos de vista com muita sinceridade. Mora a 40 anos a um quarteirão do antigo estadio do Barro Preto, onde o Cruzeiro mandava seus jogos até o fim dos anos 50 e foi o campo de treino até a inauguração da Toca da Raposa em 73.

EVALDO NO FLUMINENSE,O SEU CLUBE DE CORAÇÃO

1)   FUTEBOL DE TODOS OS TEMPOS - Você começou sua carreira em Campos do Goytacazes mesmo?
EVALDO Eu comecei no Americano. Com 10 anos jogava no infantil e cheguei até os 15 anos no juvenil. Quando subiria para o Junior fui para o Fluminense.

2)   FTT - A sua primeira partida no profissional do Fluminense foi em que ano?
EVALDO Foi em 1962 numa partida contra o América.

Evaldo ao centro nos juniores do Fluminense

3) FTT - E como era para um garoto  jogar entre estrelas como Castilho, Altair, Pinheiro, Jair Francisco, Tele e Escurinho?
EVALDO – Foi um grande prazer e uma satisfação. Duplamente falando afinal eu sempre fui torcedor do Fluminense, desde os 6 anos de idade, E eu escutava os jogos no radio e a gente fazia aquela imagem dos jogadores, altos, fortes, e quase intocáveis. Não teve nada disto. Cheguei e a turma era muito boa. Era o clube do meu coração e quando cheguei nem imaginava que iria passar pelo profissional, fazer carreira.

4) FTT - O Fluminense chegou a final do carioca de 63. O jogo contra o Flamengo levou mais de 190 mil torcedores ao Maracanã. Se lembra desta partida?
EVALDO Nossa, tinha “gente saindo pelo ladrão.” Eles pegavam os torcedores e iam passando em cima dos outros carregando e o cara dava um jeito de se encaixar em algum lugar. Venderam mais ingressos do que cabia no Maracanã.
O jogo em si não foi um grande jogo mas valia pela mística do Fla-Flu. A gemte precisava ganhar para ser campeão e ficamos no 0x0. O jogo foi muito catimbado e a cada ataque que fazíamos, caíam jogadores do Flamengo na área, no meio campo e era aquela demora para atender. No final não tinham descontos como hoje em dia.
O Flamengo tinha o Marcial no gol que pegou muito. Teve uma bola que o Escurinho matou no peito e tentou encobri-lo mas ele estava atento e salvou.





5)  FTT - O Fluminense tinha um belo time com grandes jogadores. Castilho, Carlos Alberto Torres,  Procópio, Altair, Oldair , Joaquinzinho, Evaldo e Escurinho. Faltou o que para conseguirem o titulo?
EVALDO Apesar do campeonato decidir nesta ultima partida mas o Flamengo teve o mérito de fazer a melhor campanha e jogar pelo empate. Teve todo um campeonato e els chegaram com a vantagem.

FTT – FICHA TECNICA DA FINAL DE 1963

FLAMENGO 0 x 0 FLUMINENSE
Data – 15 / 12 / 1963
Local – Maracanã
Público: 194.603 (177.020 pagantes)
Renda: Cr$ 57.993.500,00
Árbitro – Cláudio Magalhães
Flamengo – Marcial, Murilo, Ananias, Luís Carlos Freitas e Paulo Henrique;
Carlinhos e Nelsinho; Espanhol, Aírton ‘Beleza’, Geraldo e Osvaldo “Ponte Aérea”.
Técnico: Flávio Costa.
Fluminense – Castilho, Carlos Alberto Torres, Procópio, Dari e Altair; Oldair
e Joaquinzinho; Edinho, Manuel, Evaldo e Escurinho. Técnico: Fleitas Solich.

Iris, Evaldo e Luiz Henrique no Fluminense em 1963.

6)   FTT - Me fale do Escurinho,  ponta esquerda. Vocês dois chegaram a jogar juntos?
EVALDO – Jogamos. Escurinho era um ponta muito rápido. Era ele por um lado e Telê no outro. Só que Tele pensava mais, era mais técnico e o Escurinho corria muito e cruzava muito bem. Ele não era artilheiro mas tinha um fundamento muito bom que era o cruzamento e também era muito tático. Cumpria a risca o que o treinador pedía.

7)  FTT - E o Castilho está ente os melhores goleiros que você viu?
EVALDO Está. E o bom goleiro é gozado pois o atacante não chuta de qualquer distancia. É impessionate. O Castilho entrava lá pro gol e os atacantes tinham um respeito com ele . Quase não ia bola nele e quando ia ele estava sempre bem colocado. Não era goleiro de ficar saltando a toa. Era gozado porque quando Castilho não jogava e entrava o Cláudio ou o Edson Borracha era um tiroteio danado. Os atacantes parece que não confiavam neles e olha que todos dois eram bons goleiros. Agora o Castilho alem de ter sorte era muito bom e olha que naquela época não existia este negocio de treinador de goleiro não.

Evaldo cabeceando contra o Flamengo.


8)    FTT - Não venceu o campeonato carioca de 63 mas foi campeão no ano seguinte. A final foi contra o Bangu que também tinha um belo time. Se lembra?
EVALDO – Me lembro bem apesar de não ter jogado. Eu tive um problema no joelho no primeiro turno e fiquei muito tempo de fora. Fui voltar e em um jogo contra o Flamengo numa corrida arrebentei de novo e falei com o doutor que agora não dava mais. Infiltravam injeções para jogar e foi isto que contribuiu para o meu joelho ter ficado daquele jeito.Eu só podia bater com o lado de fora do pé. Imagina você num Fla Flu e não poder dar um passe com o lado interno do pé porque doía o joelho.
Agora falando da final, te digo que para mim o Bangu era o melhor time do Rio naquela época. Perdeu esta final pra gente mas eram melhores e durante este três anos deu muito trabalho. 
No campeonato seguinte em 65 foi a mesma coisa. O Samarone sentiu mal na concentração e mandaram me buscar . Eu tinha jogado pelos Aspirantes.Fui, jantei com o pessoal e fui pro jogo no dia seguinte contra o Bangu. Com menos de 3 minutos lançaram uma bola Denílson subiu com o Mario Tito e a ola sobrou pra mim fazer o gol da nossa vitória. Tiramos então o Bangu da final e acabamos perdendo do Flamengo. Já em 66 eles finalmente acabaram sendo os campeões. Tinha o Paulo Borges que jogava muito , um atacante chamado Parada que dava muito trabalho. Cabralzinho, o Mario Tito que depois veio jogar comigo no Cruzeiro.


9)  FTT - Você teve como companheiro de clube o Procópio no Fluminense e também aqui no Cruzeiro. Como era o futebol dele?
EVALDO – O Procópio foi o um dos melhores senão o melhor zagueiro que nós tivemos pelo lado esquerdo. No Fluminense também. O problema é que ele era muito temperamental. Ele era o capitão do time e tinha muita honra disto. Aí uma vez teve uma discussão lá e ele chegou para o Tim e falou que não queria ser mais o capitão. Agora dentro de campo o Procópio vestia a camisa como poucos, dava um duro danado. Teve um jogo nas Laranjeiras se não me engano contra o Bonsucesso que ele foi expulso e a partida estava empatada em 0x0 . Ele estava no vestiario que era no mesmo nível do campo e já tinha tirado a roupa quase toda, só estava de sunga. O Fluminense então fez um gol e o Procópio entrou no campo para abraçar o pessoal de sunga e com uma meia só (risadas gerais).

Evaldo em um jogo nas Laranjeiras.

Evaldo e Samarone em uma partida contra o Botafogo.

 A SAÍDA DO TRICOLOR PARA O CRUZEIRO

10) FTT - Então o presidente do Cruzeiro, Felício Brandi resolveu fazer um dos melhores times do Brasil. Te fez uma proposta para sair do Fluminense.
EVALDO – O que aconteceu foi o seguinte.Na hora de renovar o contrato, eu me sentia como um membro da família tricolor. Eu estava a cinco anos lá o vice presidente pegava a gente e levava pro Maracanã , pra passear e na hora de renovar o contrato falou: é pegar ou largar me oferecendo  o mesmo salário. Eu disse: larguei! Faltou respeito, reconhecimento. Saí de lá muito magoado pois antes de tudo eu era tricolor.
Foi então que apareceu o Cruzeiro. Eu não conhecia Belo Horizonte, nem o Cruzeiro. Eu vi o Cruzeiro jogar lá, uma vez uma semana antes nas Laranjeiras. Tostão não foi e o Dirceu Lopes arrebentou com o jogo. Os caras ficaram doidos pra contratar ele . O Felicio falou que de jeito nenhum.

11) FTT - Hoje o Cruzeiro tem uma das melhores estruturas do país mas na época o Fluminense tinha muito mais recursos do que o Cruzeiro ou não?
EVALDO – O Cruzeiro não tinha nada comparado ao Fluminense. Era o time que tinha a melhor estrutura do Rio e para você ter idéia eles já tinham uma lavanderia automática naquela época. As toalhas brancas eram brancas mesmo. Todo dia os calções e camisas estavam passadinhos. O salão nobre do Fluminense era uma delicia, um espetáculo. Aí então eu vim para o Cruzeiro que não tinha nada mas tinha um time e era isto que eu queria.
 
Evaldo e Bruno  

12) FTT - E então você veio para compor aquele ataque fabuloso?
EVALDO – Pois é, nesta época nós éramos todos novinhos. O Tostão e o Dirceu tinham 19 anos,eu e o Natal 20 e só o Hilton Oliveira que era um pouco mais velho e tinha uns 24. A gente tinha prazer em jogar,Fazíamos o que gostávamos. A gente sabía que o nosso time era bom mas não sabía que a gente podia ganhar do Santos. O time deles era o melhor e não era apenas do Brasil não. Eles eram campeões mundiais e um espetáculo.
Porem nós falamos: vamos pra cima deles. Antigamente era diferente. Hoje os treinadores inventam tantas táticas, deixam os times muito presos e aí quando aparece um Neymar eu fico muito satisfeito. Ele joga e parte pra cima como nos bons tempos. Nosso time jogava assim como o Santos joga atualmente. Partia pra cima e jogava com rapidez. Agora não adianta você ter apenas jogadores velozes , tem que ter qualidade também e nós tínhamos. O Tostão era o cérebro do time, Dirceu era o motor, o Natal corria muito mas era um caso raro de jogador que corre e pensa naquilo que ia fazer. Chutava muito bem e antes de mandar a bola olhava e colocava na cabeça pra gente. O Hilton também era habilidoso.


13) FTT - Por falar nesta final , nem o mais fanático torcedor cruzeirense poderia imaginar um placar destes sobre o pentacampeão brasileiro. 6x2. Como aconteceu isto?
EVALDO – Quem falar que imaginava está mentindo pois o time deles era melhor.Quando nós saímos para o vestiário no intervalo a gente estava incrédulo , pensativo porque ninguem acreditava no que estava acontecendo. Ganhávamos por 5x0. Descíamos as escadas do túnel e era aquele zum zum zum . No começo do segundo tempo eles fizeram 2 gols rapidamente e  eu pensei: será que eles vão virar? Fizemos então mais um gol e abaixou a poeira.


14)    FTT - Em qual partida o Cruzeiro atuou melhor. Em BH quando fez este placar (6x2) ou em São Paulo quando perdia por 1x0, Tostão ainda perdeu um penalti e mesmo assim vocês viraram para 3x2?
EVALDO – Ahh foi no Mineirão.Aqui foi a partida perfeita. Lá em São Paulo foi mais emocionante. Lá o adversário se fez presente porque aqui no Mineirão foi outro time.Aqui o Raul assistiu o jogo mas lá ele pegou demais. Salvou varias bolas. Toda hora o Toninho Guerreiro e o Pelé na frente dele e ele salvando. Agora é como eu te disse. Nosso time não desistia, ele partia pra cima sempre. Podia estar ganhando de 3 que queria mais e foi o que fizemos. Fomos pra cima, o Tostão ainda perdeu um pênalti, pois ele nunca foi um grande batedor , Aliás nós não tínhamos um cobrador de pênaltis e quem cobrava era o Tostão e o Piazza. Ironia do detino, o Tostão perdeu o pênalti e logo depois cobra uma falta com pouco ângulo e manda lá na gaveta. Foi então que vimos que dava pois o empate era nosso. Partimos pra cima , empatamos o jogo. Se fosse hoje em dia treinador ia tirar atacante e colocar mais um zagueiro. Nós não,  continuamos pra cima e viramos pra 3x2. Aí foi só festa!
Agora se você me perguntar se nós éramos melhores do que o Santos eu te digo que não. Nós estávamos melhores naquele momento e vencemos com justiça o brasileiro. Agora o Santos era o melhor time do mundo. Era uma orquestra.
 
Evaldo observa a bola entrar na gaveta na falta cobrada por Tostão na final da Taça Brasil 66.


15) FTT - E você foi o artilheiro do Cruzeiro no torneio com 7 gols?
EVALDOFui, não me lembro de fiz 6 ou 7 gols.

16) FTT - Afinal quem era o centro avante daquele time do Cruzeiro: Tostão ou você?
EVALDOEu. O que acontece é que nosso grupo era muito forte e imaginar que tínhamos o Zé Carlos na reserva já dá pra você ver. Então Zé Carlos entrava em quase todos os jogos e geralmente saía eu ou algum ponta . Iam tirar o Tostão? Dirceu? Não tinha jeito. Então sobrava pra mim mas eu entendia isto. Tostão passava a jogar mais na frente para a entrada do Zé.
O jogador mais importante deste time do Cruzeiro era o Piazza. Era ele sozinho pra marcar ali no meio porque o Tostão não marcava ninguém, o Dirceu também não. Natal e Hilton muito menos. E ele fazia o que hoje precisa de 2 volante pra fazer. Então conforme o jogo o Airton colocava o Zé Carlos para ajudar na marcação. Só que o Zé naquela época já era um volante moderno porque alem de marcar ,chegava na frente muito bem e fazia gols. Ele então ajudava o Piazza que ficava sozinho ali dando combate.


17) FTT – E como jogavam Dirceu Lopes e Tostão?
EVALDOO Dirceu sería um meia atacante. Ele pegava a bola e levava lá dentro. Tinha dribles pra todos os lados. A diferença do Dirceu para o Tostão era esta. O Tostão pegava a bola aqui e lançava lá do outro lado e o Dirceu levava ela até lá. Tostão pensava muito mais no que iria fazer. Ele é quem armava mais.

FTT – Dirceu Lopes jogava no estilo Zico?
EVALDO - Exatamente !


EVALDO FOI UM DOS NOTAVEIS QUE COLOCARAM SEUS PÉS NA CALÇADA DA FAMA NO MINEIRÃO

Dizeres da placa de Evaldo:
“Evaldo Cruz, atacante inteligente e artilheiro decisivo, foi um dos principais craques do fabuloso time do Cruzeiro, que ganhou a Taça Brasil e os primeiros campeonatos estaduais disputados, no Mineirão.

A habilidade se manifestou cedo, nas categorias de base do Fluminense e na seleção brasileira juvenil, onde foi campeão pan-americano, em 1963.

Defendeu o Cruzeiro, por 10 anos, onde fez 111 gols. Foi o artilheiro do time, com 7 gols, na Taça Brasil, de 1966.

Ficou conhecido como o “Artilheiro do Terceiro Tempo”, por lutar muito, em campo, e fazer gols nos acréscimos dos jogos.”
.


18)     FTT - Logo em seu começo no Cruzeiro veio a semifinal da Taça Brasil .Quis o destino que os dois jogos fossem contra o seu ex clube. Um dos dois teria de ficar pelo caminho. No primeiro jogo no Mineirão vitória cruzeirense por 1x0 com um gol seu.O jogo de volta no Maracanã e o Cruzeiro venceu por 3x1  e você fez dois gols. Como foi a sensação nesta partida?
EVALDO – Olha pra ser sincero foi uma da partidas que eu mais vibrei; Nada contra o clube que é meu time de coração mas saí de lá magoado com as pessoas que dirigem o clube e comigo é diferente. Se é o Cruzeiro quem está me pagando o salário não sou como estes jogadores hoje em dia que não comemoram contra o ex clube. Então se eu podia jogar bem contra eles eu joguei. No Mineirão eu fiz um gol e lá no Rio eu fiz logo dois e vibrei muito. Hoje o cara joga 4 meses no clube e fica com esta bobeira que não pode comemorar. O jogador tem de honrar seu clube que é quem lhe paga e você tem de dar o seu melhor enquanto está ali e ponto final.

Tostão abraça Evaldo após o seu gol contra o Fluminense no Maracanã
19)   FTT - Na primeira partida do Cruzeiro em Libertadores em 1967 você foi o autor do primeiro gol. Este titulo ninguem te tira jamais.

EVALDO – Foi mas para ser sincero eu nem lembrava disto.

20) FTT - Nas semifinais o Cruzeiro pegou duas verdadeiras seleções: o Peñarol e Nacional do Uruguai.
(Peñarol tinha Forlan, Figueroa, Caetano, Abaddie, Pedro Rocha, Spencer e o Nacional Dominguez, Cincunegui, Mujica, Montero Castillo, Morales) . Se lembra como foram os jogos
EVALDO – Eram dois timaços . Aqui nós ganhamos do Peñarol pó 1x0 e do Nacional por 2x1 e eu fiz o segundo gol. Só que quando fomos jogar no Uruguai, os diretores sem experiencia nenhuma nos levaram sem agasalhos e camisas especificas para enfrentar o frio que estava lá. A gente penou. Não conseguiamos nem sair do hotel e acabávamos treinando num salão ali mesmo.
E teve outra coisa. O Brasil estava disputando a Taça Rio Branco exatamente lá no Uruguai e tinham 6 jogadores do Cruzeiro na seleção (Zé Carlos, Piazza, Natal, Tostão, Dirceu Lopes e Hilton) e eles se juntaram a nós na vespera do jogo. Foi então que conseguimos fazer um treinamento um dia antes com todo mundo e foi um treino puxado de uma hora e meia. Chegou na hora do jogo, aquele campo pesado com 10 cms de barro e nosso time era muito leve e sentiu. Você tocava a bola e ela ficava presa no lamaçal. Agora o time deles também era muito bom .

Evaldo contra Figueroa do Peñarol na estreia do Cruzeiro na Libertadores em 1967
21) FTT - Dizem que foi com você que surgiu o termo de "jogador que joga sem bola" . Era por causa da sua movimentação em campo?
EVALDO – Era. Quando eu cheguei no Cruzeiro e após alguns treinos o Airton Moreira veio e me falou: Evaldo , infelizmente eu achei que você fosse um jogador mas brigador dentro da área que trombasse lá na frente e vejo que não é. Eu falei com ele que não era mesmo. O Airton então falou que teria de procurar outro e eu ficar na resreva do Tostão. Eu falei que ele poderia me devolver para onde eu vim pois imagine se eu iria ficar na reserva do Tostão. Quando eu iria jogar? Falei com ele então pra me colocar ao lado do Tostão. Ele topou o desafio e eu tive de me adaptar. Tostão caía pra lá e eu deslocava pra cá. E o que eu tinha de ponto forte era meu deslocamento e meu passe pois eu passava bem a bola. Então me adaptei jogando  entre Tostão e Dirceu.

22) FTT - Foi então que sua carreira sofreu o maior trauma. Uma grave contusão em 1971 contra o Cejas. Me fale um pouco deste lance e da sua contusão.
EVALDO – Olha eu tenho comigo que o atacante que fica impedido uma vez , vá lá. Duas já é demais , três é burrice. E o Santos estava usando a tática do impedimento. Eles marcavam quase lá no meio campo e estávamos ficando impedidos toda hora.Numa desta eu parti em posição legal mas fiquei meio vacilante pensando se estava impedido ou não. Nesta vacilada que eu dei quando resolvi arrancar mesmo o Cejas que como todo goleiro argentino costuma jogar mais adiantado saiu correndo pra bola. Ele veio rachando e quando eu coloquei o pé no chão e trombei com o joelho dele. O doutor Neylor Lasmar chegou e falou calma o que foi...e eu disse com muita dor. Quebrou, quebrou tudo. Fiquei um ano e três meses parado.

23) FTT – Qual foi seu grande treinador?
EVALDO – O Tim era muito bom, ele era muito inteligente. Tinha o dom  quando ele dizia que o time ia ganhar o jogo em tal lugar era batata. Ele usava uma prancheta com os botões e mostrava o que queria e os perigos. Falava: se nós ganharmos o jogo vai ser por aqui e se perdemos vai ser aqui. Agora o maior que eu tive foi o Zezé Moreira. Este reunia tudo o que acho fundamental :era homem, direito, entendia de futebol. Ele não levantava a voz Era muito justo e pra ele não tinha cobrinha ou cobrão. Era todo mundo tratado igualmente. “Seu Zezé” era fogo. Não tinha esta de jogador estrela ser poupado, ter preferência não. O pessoal tinha muito respeito por ele. E sabia armar um ime como ninguém.

 
24) FTT - Quais foram os melhores zagueiros que você enfrentou ou jogou a favor?EVALDO – Perfumo foi um grande zagueiro. Djalma Dias, Luis Pereira, Ramos Delgado, Roberto Dias e um que não joguei contra pois é mais novo mas sou fã é o Luisinho.

Evaldo de peixinho numa bela foto.

Evaldo de cabeça desloca o goleiro do Botafogo fazendo o gol cruzeirense.

25) FTT - Aponte os 6 maiores jogadores que você viu em todos os tempos.
EVALDO – Pelé, Garrincha, Carlos Alberto Torres, Tostão, Dirceu Lopes, Rivelino

26) FTT - Pelé você enfrentou varias veze nos clássicos entre Santos e Cruzeiro nos anos 60. E o Garrincha jogou contra ele?
EVALDO - Joguei sim. Peguei ele no Fluminense e me lembro de pelo menos dois jogos. Um deles me lembro bem, foi um 2x0 em 64. Porem antes de ver o Garrincha em campo eu já ia ao estadio para ve-lo jogar quando criança, era um show a parte.



4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Bela entrevista,Evaldo é mais um grande jogador entrevistado,daqueles que vale a pena ficar horas lendo seus depoimentos.

    ResponderExcluir
  3. Evaldo foi um grande centroavante. Não é tão lembrado como se deve porque teve ao seu lado gênios como Tostão e Dirceu Lopes. Fez parte da era áurea do Cruzeiro, cansando de ganhar títulos. Teve também uma boa passagem pelo Fluminense. Interessante quando disse que é torcedor desde os 6 anos, ou seja, a partir de 1951, quando o tricolor ganhou o inesquecível Estadual daquele ano.

    ResponderExcluir
  4. Num país sem memória, que bom que existe alguém que relembre com carinho dos grandes valores do nosso futebol. Parabéns por resgatar os aúreos tempos em que o jogador atuava por amor ao seu clube. Evaldo, Samarone, Flávio, Lula, são alguns destes guerreiros tricolores...

    ResponderExcluir