FTT - Futebol de Todos os Tempos

ENTREVISTAS COM EX JOGADORES, TECNICOS, DIRETORES E PESSOAS LIGADAS AO FUTEBOL QUE CONTRIBUIRAM DE ALGUMA FORMA PARA QUE PUDESSEMOS CONHECERMOS UM POUCO MAIS DA HISTORIA DO FUTEBOL BRASILEIRO E MUNDIAL.

domingo, 13 de novembro de 2011

O Craque disse e eu anotei - BALTAZAR (por Batata filho de Baltazar)

Através do meu amigo jornalista Celso Unzelte obtive o telefone do Batata, filho do famoso centroavante Baltazar, o Cabecinha de Ouro. A entrevista foi realizada no Clube Esportivo da Penha, onde me reencontrei com o Carlos Botelho, filho do Julinho, que também entrevistei para o Blog Futebol de Todos os Tempos (FTT). Confiram a matéria.

FUTEBOL DE TODOS OS TEMPOS: O seu pai nasceu em Santos no dia 14 de Janeiro de 1926, começando a jogar profissionalmente no Monte Alegre, em 1943.
CARLOS ALBERTO DA SILVA (BATATA): Exatamente, primeiro no Monte Alegre, depois no Jabaquara, indo depois pro Corinthians, onde jogou praticamente toda a carreira e no final dela atuou no Juventus da Mooca.

FTT: Quando criança ele tinha como referência o Leônidas da Silva, na questão de posicionamento na área, agilidade e saltar para cabecear?
BATATA: Pelos comentários da família na época, sim.

FTT: O seu pai chamava-se Oswaldo Silva e, quando ele começou a jogar futebol, não era conhecido como Baltazar, que por sinal era o nome do irmão dele.
BATATA: Isso mesmo, o irmão era bem conhecido na vila e ficou aquela história do irmão do Baltazar e o nome ficou pra ele mesmo.
Jabaquara 1945 - A ártir da esq. Doca, Baltazar, Bahia, Leonardoo e Tom Mix.


FTT: Em 1944 ele é contratado pelo Jabaquara, jogando em um ataque que tinha Alemãozinho, Baltazar, Bahia e Tom Mix. Foi quando ele começou a se destacar?
BATATA: Na época era um time excelente, fazendo com que o Corinthians se interessasse e o contratasse no final de 1945. No início ele era meia-direita (Servílio jogava como centroavante) e quando o Luizinho subiu para o time de cima (1949), passou a jogar no comando do ataque.

FTT: No primeiro Torneio Rio-São Paulo oficial (1950), com o Corinthians sendo campeão, o Baltazar acabou sendo o artilheiro da competição, marcando 9 gols, chamando a atenção do técnico Flávio Costa para que ele fosse convocado pra Seleção Brasileira. Na Copa do Mundo jogou as duas primeiras partidas, contra o México no Maracanã (4 a 0) e com a Suíça no Pacaembu (2 a 2), marcando um gol em cada jogo. Ele ficou chateado por não ter jogado entre os titulares as outras partidas do Mundial?
BATATA: Não, ele nunca se deixou levar pelo outro lado. Era tranquilo, pacato e sereno, portanto foi algo que não influenciou em nada.



 
FTT: Em 1951/52 o Corinthians é Bicampeão Paulista, surgindo, talvez, o ataque mais famoso da história do clube, com Cláudio, Luizinho, Baltazar, Carbone e Mário, que marcou 103 gols no Paulistão de 51. O que o seu pai falava desta linha?
BATATA: Encontrei uma vez com o Cláudio no Parque São Jorge e ele comentou comigo que “não tinha jogada ensaiada, metia a bola e o seu pai estava lá”. Era assim, eles se davam muito bem dentro e fora do campo, facilitando as jogadas.


FTT: O Baltazar tinha uma frase muito legal, dizendo que “nunca fui muito bom com a bola nos pés, mas com a cabeça ‘nem Pelé’ era melhor do que eu”. Isso também se deve aos cruzamentos precisos do Cláudio Cristovam de Pinho.
BATATA: Não o vi jogar, pois nasci em 1955, mas pude ver em fotos que a minha mãe tinha em arquivos, que a impulsão dele era extraordinária, sempre passando os zagueiros, algo incrível, muito difícil pará-lo quando bem posicionado.




FTT: Os defensores adversários diziam que, “para pará-lo, era somente com socos e pontapés”.
BATATA: Inclusive ele teve o maxilar quebrado algumas vezes devido a essas jogadas, pois, quando saltava, os zagueiros já metiam o cotovelo nele. Mas era difícil, porque o meu pai saltava muito bem.
FTT: Ele era constantemente convocado pra Seleção Brasileira, sendo Campeão Panamericano em 1952, disputou o Sulamericano no ano seguinte, venceu o Campeonato Brasileiro de Seleções em 52 pela Seleção Paulista e foi o artilheiro das Eliminatórias da Copa do Mundo, ou seja, era o grande centroavante brasileiro na época. No Mundial da Suíça ele estreou contra o México (5 a 0), marcando um gol. Na segunda partida, enfrentou a Iugoslávia. Só não participou do jogo com a Hungria, em que o Brasil foi eliminado.
BATATA: São grandes lembranças que ele tinha. Se é na época atual, talvez fosse mais difícil fazer os gols que fazia naquele tempo, pois hoje o zagueiro abraça, se joga em cima, o que não havia tanto quando o meu pai jogava futebol.
Primeiro gol marcado pelo Brasil na Copa de 1954 foi feito por Baltazar.

FTT: Depois da Copa do Mundo ele foi Campeão Paulista do IV Centenário (tinha vencido também o Rio-São Paulo em 1953). No ano de 1957 o Baltazar foi vendido ao Juventus da Mooca, mas não se destacando mais como o Cabecinha de Ouro, pois havia marcado 267 gols em 409 partidas no Parque São Jorge, tornando-se o segundo maior artilheiro da história corintiana (Cláudio é o primeiro). O seu pai achava que já estava prestes a encerrar a carreira?
BATATA: Ele sentia que já estava na hora de parar, pois ficou pouco tempo no Juventus. O auge dele foi no Corinthians



FTT: Em 1971 o Baltazar era o técnico do Corinthians no Campeonato Brasileiro, realizando, por sinal, uma boa campanha, tendo o Rivellino no time.
BATATA: A equipe era muito boa. Se eu não me engano eles perderam uma partida para o Cruzeiro em Belo Horizonte por 1 a 0, fazendo com que ele saísse do cargo. O pessoal gostava muito do meu pai. A experiência foi boa, treinou outros clubes, mas não gostava muito dessa função.

FTT: Vamos falar agora um pouco de você, pois afinal de contas também foi jogador de futebol, jogando como lateral-esquerdo. Chegou a treinar nas Equipes de Base do Corinthians?
BATATA: Comecei a jogar no Corinthians em 1968 nas Categorias de Base do Sr. José Castelli (Rato), completei todo aquele ciclo de jogador Infantil, Juvenil e Aspirante. Terminei a minha carreira como jogador Amador do Palmeiras, onde me profissionalizei, indo depois pro São Bento de Sorocaba em 1977, fui vendido ao Botafogo do Rio em 79 e mais tarde rodei o Brasil.


FTT: Você era muito cobrado por ser filho do Baltazar?
BATATA: Fui sim, porque comecei a jogar na frente. A cobrança foi muita e acabei caindo pra ponta-esquerda. Quando fui para os Juvenis do Corinthians, o Julinho Botelho me levou pro Juvenil do Palmeiras, sendo que lá me colocaram pra jogar como quarto-zagueiro e o treinador era o Godê. Fomos Campeões Paulistas Juvenis e me dei bem na posição. Mas a maior parte dos meus jogos foi como lateral-esquerdo.

FTT: Jogou também na Seleção Brasileira Amador.
BATATA: Joguei no Torneio de Cannes em 1973/74.
Batata filho de Baltazar por quem tem grande orgulho tambem tentou a carreira como jogador de futebol.

FTT: E a passagem no Botafogo, talvez o time mais importante que jogou como Profissional?
BATATA: Sem dúvida, na época o presidente era o Charles Borer, com o Botafogo se refazendo há alguns anos e os pagamentos estando em dia. Foi uma experiência boa, pois o time era muito bom, contando com jogadores como o Mendonça, Renê (que era do Vasco), Dé, Manfrini, Perivaldo, Renato Sá e Marcelo (hoje é treinador do Coritiba).

FTT: Fale do seu primo, o Gérson, que faleceu prematuramente com 29 anos, em 1994. Foi um centroavante revelado pelo Santos, sendo campeão da Taça São Paulo de 1984 e com passagens muito boas pelo Atlético Mineiro e venceu a Copa do Brasil de 92 pelo Internacional-RS. Qual é a sua recordação deste grande atacante?
BATATA: Era uma pessoa maravilhosa, um cara muito tranquilo, sossegado e sempre na dele. Isso pegou toda a família de surpresa. Foi uma perda prematura, lamentável e muito triste

Batata e Mauricio Sabará

FTT: Obrigado pela entrevista, Batata. Parabenizo você, o seu primo Gérson e, principalmente, o Baltazar, provavelmente o maior centroavante da história do Corinthians junto com o Teleco. Anos atrás foi feito um busto no Parque São Jorge em sua homenagem ao lado das estátuas do Cláudio e do Luizinho, algo bem merecido. Ele era um jogador tão popular, que foi feita uma marchinha em sua homenagem. Você me disse saber que foi composta pelo Alfredo Borba (1952/53), mas não sabe a letra completa, que na época quem cantava era a Elza Laranjeira. Não sou cantor, mas com a sua permissão, a cantarei, pois conheço a música inteira.


GOL DE BALTAZAR
GOL DE BALTAZAR
SALTA O CABECINHA
UM A ZERO NO PLACAR
O MOSQUETEIRO NINGUÉM PODE DERROTAR
CARBONE É UM ARTILHEIRO ESPETACULAR
CLÁUDIO, LUIZINHO E MÁRIO
JULIÃO, ROBERTO E IDÁRIO
HOMERO, OLAVO E GILMAR
SÃO OS ONZE CRAQUES QUE SÃO PAULO VAI CONSAGRAR
GOOOLLL!!!



REPORTAGEM: Maurício Sabará Markiewicz.
FOTOS: Estela Mendes Ribeiro.

6 comentários:

  1. MUITO BOA ENTREVISTA.MAIS UMA OPORTUNIDADE DE CONHECERMOS A HISTÓRIA DESTE QUE PODE SER REALMENTE CONSIDERADO UM DOS MAIORES SENÃO O MAIOR CENTROAVANTE DA HISTÓRIA DO TIMÃO E TAMBÉM DE SEU FILHO BATATA, QUE TAMBÉM DEU SUA PARCELA DE COLABORAÇÃO AO FUTEBOL BRASILEIRO.

    O QUE ME CHAMOU A ATENÇÃO FOI O FATO DE BALTAZAR TER VINDO PARA O CORINTHIANS APENAS COMO CONTRAPESO E ACABOU SE TORNANDO TÃO IMPORTANTE, NÃO SÓ PARA O CORINTHIANS, MAS TAMBÉM AO FUTEBOL BRASILEIRO.PARABÉNS POR MAIS ESTA MAURÍCIO

    ResponderExcluir
  2. A cada dia que passa eu fico conhecendo um pouco mais da história do Futebol Brasileiro através destas entrevistas.
    Pouco eu sabia do Baltazar e do filho Batata.
    Parabéns Maurício pela entrevista e também a Estela que com suas fotos me fez relembrar um dos meus ídolos de menina...Gilmar.
    Grata.

    ResponderExcluir
  3. Um detalhe que esqueci de comentar com o Batata foi a respeito do carro do Baltazar. Ele tinha um Studbaker (automóvel este que ganhou por ser eleito o jogador mais popular do Brasil na época) que pegou fogo na estrada. A torcida corintiana presenteou-o com um novo.
    Foi uma matéria interessante, homenageando aquele que é considerado o maior cabeceador do futebol brasileiro.

    ResponderExcluir
  4. Realmente para quem quer saber mais sobre os craques do passado e só curtir as entrevistas do Bruno e do Mauricio, feitas com bastante
    dedicação e amor pelo futebol.

    ResponderExcluir
  5. Sensacional a entrevista, cada dia aprendo mais lendo o blog. parabéns pelo trabalho Maurício! Será que o Batata é corinthiano???

    ResponderExcluir
  6. Gerson Fernando Rainha22 de abril de 2012 09:09

    BOA ENTREVISTA MAURICIO DO SR BOLTAZAR E DO BATATA, QUE É UM CARA NA DELE, TRANQUILO E AMIGO DE TODOS COMO O SR BALTAZAR, DA RUA DN ANA FRANCO, PQ JORGE. MAIS O BATATA NUNCA USOU O NOME DO SR BALTAZAR PARA SE PROMOVER, FOI NA DELE ELE E CORINTIANO MAIS GOSTA DA LUSA, MAVERIQUE E COCA COLA. SALVE O CORINTHIANS

    ResponderExcluir