FTT - Futebol de Todos os Tempos

ENTREVISTAS COM EX JOGADORES, TECNICOS, DIRETORES E PESSOAS LIGADAS AO FUTEBOL QUE CONTRIBUIRAM DE ALGUMA FORMA PARA QUE PUDESSEMOS CONHECERMOS UM POUCO MAIS DA HISTORIA DO FUTEBOL BRASILEIRO E MUNDIAL.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

O Craque disse e eu anotei - TURCÃO

Gosto de todas as entrevistas que faço, mas confesso que tenho uma satisfação maior quando o entrevistado é um jogador bem antigo, pois terei a oportunidade de ouvir histórias de uma época que existem poucos que ainda possam contar, além de dar uma oportunidade para que os jogadores sejam lembrados, principalmente em um país onde a memória é tão desvalorizada. Turcão, junto com Oberdan Cattani (o meu primeiro entrevistado para o Blog), são os únicos remanescentes do Palmeiras da década de 40. Consegui o seu contato por e-mail através de um diretor palmeirense. Contatei-me com o ex-jogador na quarta-feira, dia 23/11/2011 e marcamos a entrevista para o dia seguinte. Com 85 anos, tem uma memória e lucidez formidáveis, concedendo-me uma maravilhosa matéria.

FUTEBOL DE TODOS OS TEMPOS: O senhor nasceu no dia 24 de Maio de 1926 no bairro da Vila Mariana, em São Paulo. Quando criança já jogava futebol?
ALBERTO CHUARI (TURCÃO): No meu tempo a molecada jogava na rua e as vezes aparecia um campo qualquer e íamos jogar lá. Depois de certo tempo apareceram muitos campos, que também foram acabando com os prédios que eram construídos.

FTT: Já torcia por algum time nessa época?
TURCÃO: O mais engraçado de tudo é que joguei no Palmeiras e São Paulo. Quando moleque falava que torcia pro Corinthians. Meu irmão brigava comigo, dizendo que tinha que torcer pelo Palmeiras. Não era tão corintiano, mas falava porque ouvia falar dele.

FTT: Pelo que soube, começou a jogar no Ypiranga.
TURCÃO: Tinha o senhor Carlos Paeta, que era oficial da Light. Ele percorreu os campos de futebol pra procurar quem gostasse praticar futebol e tentar jogar no Ypiranga. Viu-me jogando no Ás de Ouro, da Vila Mariana e me convidou. Eu só treinava no Ypiranga, pois eles não me deixaram jogar. Fui treinar no Palmeiras, jogando como Juvenil e depois virei titular.

FTT: Isso foi em 1942, quando começou a jogar no Palmeiras.
TURCÃO: Até antes, desde 1940, quando tinha uns 15 anos.

FTT: Profissionalizou-se no Palmeiras em 1945.
TURCÃO: Foi praticamente neste ano que tornei Profissional. Mas desde 1944 já jogava um jogou ou outro.

FTT: Na sua época de Palmeiras haviam grandes jogadores, como Oberdan Cattani, Eduardo Lima, Waldemar Fiúme, Caieira, Zezé Procópio e Og Moreira. Fale sobre esses jogadores, Turcão.
TURCÃO: Meu amigo, você falou de nomes que se jogassem hoje, Nossa Senhora! O Oberdan, no tempo dele, era considerado o melhor goleiro da América e, talvez, até do mundo, um fora-de-série. Os outros jogadores, como o Zezé Procópio e o Lima, eram extraordinários. Quando começo a lembrar, não paro de falar (risos!).

PALMEIRAS 1947 - Oberdan Cattani, Tulio affini, Turcão, Caieira, Waldemar Fiume, Zezé Procopio, Oswaldinho, Lula, Arturzinho, Lima e Canhotinho

FTT: Em qual posição o senhor jogava nessa época?
TURCÃO: Comecei como lateral-esquerdo pra ter chance de jogar. O que gostava mais era atuar como zagueiro-central. Quando apareceu a oportunidade, agarrei e não saí mais.

FTT: Já que o senhor jogava como lateral-esquerdo e zagueiro-central, além dos jogadores do Palmeiras que citei, enfrentou grandes jogadores dos times adversários. Citarei alguns: Luizinho, Sastre, Leônidas da Silva (todos do São Paulo) e Servílio (Corinthians).
TURCÃO: Luizinho era um monstro de jogador, advogado da Caixa e jogava um futebol maravilhoso. O Sastre, de tão bom que era, não deixou o Yeso Amalfi jogar, que também jogava muito e quando foi jogar na França, deixou os franceses de boca aberta, sendo que aqui não jogava muito por causa do desse argentino, que era algo fora do comum. Marquei o Leônidas, era extraordinário, super ligeiro, se você bobeasse um segundo estava perdido, fazia gols de bicicleta, quando dominava a bola tinha que estar junto, senão era gol. Joguei contra o Servílio, cheguei a dar um pontapé nele, que não gostou e reclamou comigo, mas também jogava muito bem.

FTT: Começa 1947 e nesse ano o Palmeiras é Campeão Paulista. Já tinha sido em 1944, com o São Paulo sendo Bi em 1945/46 e 1948/49, ou seja, eram os grandes times da década. Na final do Paulistão de 47, o Palmeiras enfrenta o Santos na Vila Belmiro, vencendo por 2 a 1 e nesse jogo Turcão faz um famoso gol, praticamente o do título.
TURCÃO: Esse gol foi quase do meio-de-campo. A bola vinha cruzando, corri e resolvi chutar, batendo com toda a minha força, atravessou o campo todo, sendo que o goleiro estava um pouco adiantado, quis voltar e ela entrou. Ganhamos o jogo por 2 a 1.

FTT: Foi um título muito comemorado pelo senhor e companheiros.
TURCÃO: Eu era um garotinho, tinha 21 anos e ainda fiz um gol. Fui carregado em triunfo e um sujeito meteu mão no meu pescoço, arrancando a minha corretinha de ouro. Tentei pegá-lo, mas ele conseguiu fugir. Estive em um Jornal e pedi que ele devolvesse. Foi devolvida e está com o meu filho até hoje.

FTT: Em 1948 enfrentou os melhores times da época, o River Plate e o Torino. Como jogavam os fabulosos jogadores do River, que tinha nomes como Di Stefano e Labruna?
TURCÃO: Muñoz, Moreno,  Pedernera, Labruna e Lostau. Era duro jogar com esses caras! Não quero nem lembrar, porque me sinto mal (risos!). Marquei o Muñoz, ponta-direita do River Plate. Nós ganhamos do Boca Juniors aqui e perdemos do River lá.
 Turcão,  o segundo da esquerda para a direita, entre Lula e o tecnico Cambon, depois, Neno, Lima, Canhotinho, e  Arturzinho, em Janeiro de 1947, um dia antes do jogo com o Boca Juniors da Argentina em que ouve empate de 2x2.

FTT: O Palmeiras é novamente Campeão Paulista em 1950, jogando no time o Jair Rosa Pinto e o Rodrigues, formando uma grande ala-esquerda. Fale da final, do Jogo da Lama, contra o São Paulo, com o time sendo campeão já em 1951.
TURCÃO: Choveu, o campo estava horroroso, tanto é que quando o Aquiles fez o gol, a bola estava parada na lama e ele chutou de primeira. O time do Palmeiras também era muito bom. Dava gosto jogar nessa época.

FTT: Em 1951 acontece uma grande surpresa na sua carreira, porque parece que o senhor queria um aumento salarial e não lhe foi concedido.
TURCÃO: Com o término do Campeonato Paulista, coincidentemente acabou o meu contrato. Todo o mundo estava ganhando bem, acima de 20 mil. O próprio Sarno, que era lateral-esquerdo, renovou com esse salário. O senhor Mário Frugiuele, que Deus o tenha, não quis me pagar este valor. Eu disse que era Campeão Juvenil, Amador e duas vezes como Profissional. Ele disse que seria 8 mil. Pedi um pouco mais, falando que o Sarno havia me contado que recebeu 20 mil e ele não gostou dele ter contado, mas falei que sabia porque éramos amigos. Falou pra eu ir para minha casa, que resolveria no dia seguinte. Na mesma noite vendeu o meu passe ao Guarani de Campinas.

FTT: Jogou pouco tempo no Guarani.
TURCÃO: Fiquei um mês. Logo em seguida o São Paulo foi me buscar. Cheguei a fazer um gol de falta em um clássico contra o Palmeiras.

TURCÃO VAI PARA O SÃO PAULO


FTT: Nessa sua fase de São Paulo, perguntarei sobre alguns jogadores que atuaram contigo, como Mauro Ramos de Oliveira, De Sordi, Alfredo Ramos, Bauer e Teixeirinha, sendo que os dois últimos enfrentaram quando jogava no Palmeiras.
TURCÃO: O Mauro era algo fora do comum, grande jogador e pessoa, um amigo que todos gostavam, morreu precocemente com câncer, craque extraordinário e elegante, altamente técnico, mas não gostava do apelido de Martha Rocha, já que a mulherada era fã dele. Já o De Sordi jogava na mesma posição que eu, como lateral-direito, tanto é que fiquei muitas vezes fora do time com ele jogando, pois atuava muito bem, comigo na reserva e aceitava por saber que melhor. Alfredo Ramos é muito tímido, não dá entrevistas, mas também era um extraordinário jogador e grande amigo. Naquele tempo as amizades eram muito boas. Até hoje sou amigo do Oberdan Cattani e dos jogadores do Palmeiras só sobraram ele e eu. Acho que o Aquiles também está vivo, mas é mais recente. Bauer enfrentei e depois joguei junto, na Copa do Mundo de 1950 foi chamado de Monstro do Maracanã, pra você ter idéia como ele jogava bem e formou com o Ruy e Noronha uma linha-média sensacional. O Teixeirinha, que se chama Elísio dos Santos Teixeira, era chamado de Português, era muito bom, só que depois veio o Canhoteiro e ele perdeu a posição.

FTT: Qual é a sua lembrança do título paulista de 1953?
TURCÃO: O Poy e o De Sordi jogavam muito. Joguei de lateral-esquerdo e o Alfredo Ramos como quarto-zagueiro. O time era excelente e quase não perdeu pra ninguém, como o Palmeiras de 1947, que praticamente ganhou de todo o mundo. Já o São Paulo de 1954/55 decaiu um pouco.

FTT: Agora falarei novamente dos adversários da sua época de São Paulo. O Palmeiras tinha uma linha de ataque que jogavam o Lima, Liminha, Humberto Tozzi, Jair e Rodrigues. Já o Corinthians jogava com Cláudio, Luizinho, Baltazar, Carbone e Mário. E a Portuguesa atuava com Julinho, Renato, Nininho, Pinga e Simão.
TURCÃO: A linha do Palmeiras foi muito boa, tanto que fui campeão com alguns desses jogadores em 1950. O ataque da Portuguesa era duro de enfrentar, ganhava dos grandes, atrapalhava a nossa vida, mas perdia pro Nacional da Comendador de Souza. Marquei o ponta-direita Julinho Botelho e ele dava muito trabalho. Os dois baixinhos, Cláudio (que eu marcava) e Luizinho, jogavam muito bem. Já o Mário ponta-esquerda era muito habilidoso pra driblar.

FTT: O Dino Sani comentava que o senhor passava bem a bola. Comente também sobre ele.
TURCÃO: Quando ele começou no Palmeiras, briguei com a diretoria do clube porque vendeu ele pro XV de Jaú. Acabou se tornando um dos melhores jogadores do mundo, jogando depois na Argentina e Itália. Eu era Profissional e o menino despontava nos Amadores, dizia que ele era craque e daria muito gosto no Palmeiras.

FTT: Inicialmente ele era meia e depois passou a jogar como volante, rivalizando com o Roberto Belangero do Corinthians nessa posição.
TURCÃO: Jogava como meia e depois virou apoiador no São Paulo, com ele deslanchando de vez. O Roberto Belangero também era um extraordinário jogador. Se você quiser falar mais, ficará cansado de ouvir sobre tantos jogadores bons (risos!).

FTT: Citarei agora um ponta-esquerda que chegou ao São Paulo em 1954, que foi dado ao senhor a incumbência de marcá-lo no primeiro treino dele. Pelo seu sorriso já sabe que estou falando de José Ribamar de Oliveira, o Canhoteiro.
TURCÃO: Quem trouxe ele pro São Paulo foi o Wilson, antigo zagueiro do Vasco, que pediu pra mim não jogar tão duro, já que o menino era magrinho. Começou o treino, sendo que na primeira bola passou por mim parecendo que eu nem existia. Na segunda, terceira e quarta a mesma coisa. Resumindo, pra não falar muito, quando acabou o treino, o Wilson veio me agradecer, dizendo que ele seria contratado e eu falei pra contratar mesmo, pois tomei um baile de um jogador que se tornou um fora-de-série. Infelizmente não tinha juízo.
 São Paulo 1956 - Vice Paulista. Em pé: Desconhecido - Vicente Feola (técnico) - Riberto - Sarará - Bonelli - Turcão - Alfredo Ramos e Mauro. Agachados: Maurinho - Lanzoninho - Gino - Dino Sani e Canhoteiro.

FTT: Já que citei o Canhoteiro, falarei agora do Mané Garrincha, que o senhor também enfrentou.
TURCÃO: Marquei o  Garrincha também. Só pegava moleza (risos!).

FTT: Falarei agora de alguns grandes dribladores e o senhor me diz quem achava que era o melhor: Mário (ponta-esquerda do Corinthians), Luizinho Pequeno Polegar, Canhoteiro ou Garrincha?
TURCÃO: O Mário era muita frescura, driblava muito bem, mas dava muita chance aos adversários, pois me lembro de uma passagem dele quando jogava no Vasco contra o São Paulo, que ele driblou todo o mundo, parou a bola em cima da linha do gol, sendo que o zagueiro Savério tirou ela dele, com isso ele não queria ir pro vestiário, porque o Flávio Costa estava esperando-o na porta por não ter marcado, querendo o técnico bater nele. Já o Canhoteiro atacava mais. O Luizinho era habilidoso e produtivo, diferente do Mário, pois fazia as coisas muito bem feitas. Acho que o Garrincha foi o melhor driblador de todos, era muito difícil de marcar e ninguém conseguia tirar a bola dele.
Mauricio Sabará e Turcão coma foto dos tempos de São Paulo


FTT: Falaremos agora de uma passagem importante da sua carreira, quando jogou na Seleção Brasileira, atuando apenas em uma partida, pela Taça Bernardo O’Higgins de 1955. Chegou também a jogar pela Seleção Paulista?
TURCÃO: Cheguei a jogar na Seleção Paulista. Pela Brasileira foi mais emoção do que ação, porque não esperava jogar. O técnico disse que jogaria, em vez do De Sordi. Nós ganhamos o jogo e a Taça. Foi uma alegria fora do comum. Antes treinei pra jogar, mas o Flávio Costa me cortou depois de dois treinos, fazendo com que não participasse da famosa Copa do Mundo de 1950.

FTT: Em 1956 o senhor parou de jogar devido à um problema no joelho, quanto tinha 30 anos. No ano seguinte o São Paulo é Campeão Paulista, trabalhando como auxiliar técnico de Bela Guttmann.
TURCÃO: A contusão foi porque o argentino Bonelli caiu em cima do meu joelho em um treino. Pra mim não houve nenhum técnico como o Bela Guttmann, porque ele dava fundamentos, o que não vejo hoje, pois não se sabe cruzar uma bola.
Turcão hoje em dia e  com a foto dos tempos de tricolor.


FTT: Depois do título teve uma rápida passagem pelo Santa Cruz, jogando somente quatro partidas.
TURCÃO: Fiquei um mês no Santa Cruz, ganhei um torneio lá e recebi 150 mil. Eles me dispensaram. Me reapresentei no São Paulo, sendo que o diretor Manuel Raimundo disse não me querer mais no clube, falando que daria quatro ordenados para que eu fizesse  o que quisesse. Uns três times me procuraram, mas não quis mais.

FTT: Por sinal nessa época é que estava surgindo o Santos de Pelé, que jogava também o Pagão e o Pepe.
TURCÃO: Não peguei esses caras, graças a Deus. Chega de sofrimento (risos!).

FTT: Citarei também alguns jogadores do Rio de Janeiro para o senhor comentar, como de Heleno de Freitas (só enfrentou na época de Palmeiras), Ademir de Menezes e Zizinho.
TURCÃO: Tive a honra de jogar uma vez contra o Heleno. Enfrentei também o Ademir. Zizinho era um monstro de jogador, sendo que depois do Flamengo e Bangu, jogou no São Paulo, sagrando-se Campeão Paulista em 1957. Outro jogador formidável foi o Waldemar de Brito, um dos Deuses do futebol.


FTT: Fale agora do seu final de carreira profissional, quando trabalhou em empresas como a Kibon e Ki-Refresco.
TURCÃO: Parei de jogar por te me machucado, tinha um rendimento com umas casas, recebendo os meus aluguéis e dava pra viver. Um dia estava jogando bocha  e encontrei um amigo, Moacir Serrone, que perguntou o que eu estava fazendo. Disse que ninguém me arrumava emprego. Ele disse pra mim ir para a Kibon, pois lá iria trabalhar. Apresentei-me de camisa esporte e de barba pra fazer, já que estava tão decepcionado da vida. Falou pra mim: “O que você veio fazer aqui, pedir emprego barbudo desse jeito e de camisa esporte? Volte pra sua casa e coloque uma gravata”! Saí correndo, fui em casa (morava à um quarteirão da Kibon), tomei um banho, fiz a barba e coloquei a gravata. Quando retornei, disse “agora sim”! Apresentei-me ao senhor Manuel de Oliveira, amigo de infância, que era o gerente, dizendo-me que começaria a trabalhar no dia seguinte. Minha vida mudou da água pro vinho.

FTT: O senhor jogou em dois grandes clubes, que foram o Palmeiras e São Paulo. Quando os times jogam, tem preferência por algum, ou torce por ambos?
TURCÃO: Preferência não tenho. Gosto do Palmeiras porque comecei lá e do São Paulo, onde praticamente terminei. Fui muito bem tratado no Guarani e Santa Cruz. Torço para que esses quatro clubes sejam felizes.


ENTREVISTA: Maurício Sabará Markiewicz.
FOTOS: Estela Mendes Ribeiro.

9 comentários:

  1. Gosto muito de entrevistar jogadores. Agora quando o entrevistado é um jogador antigo, que apresenta muita lucidez, faz com que a satisfação seja ainda maior. Turcão, da mesma forma que Oberdan e Amílcar Barbuy Filho, é um senhor com mais de 85 anos, mas, como os que citei, esbanja uma memória fora do comum. Muito simpático e divertido, passei horas felizes ao lado zagueirão, batendo mais um bate papo do que propriamente uma reportagem.

    ResponderExcluir
  2. Um detalhe que esqueci de comentar: O jogador do Juventus que está em uma foto ao lado do Turcão era conhecido como Turquinho.

    ResponderExcluir
  3. Bela entrevista feita pelo Maurício.
    Entrevistar jogadores da "velha- guarda" e com toda esta lucidez do Turcão é realmente muito satisfatório.
    Percebe-se como o Turcão é simpático e divertido, principalmente quando se refere ao Santos de Pelé:
    Não peguei esses caras, graças a Deus. Chega de sofrimento (risos!).
    Mais uma vez Parabéns Maurício pela entrevista, e obrigada por nos dar a oportunidade de relembrar e conhecer um pouco mais destes jogadores do passado.
    Parabéns também a Estela com suas fotos lindas..."

    ResponderExcluir
  4. Prá variar mais uma ótima entrevista.Fico impressionado com a lucidez desses ex jogadores, todos sempre contam suas histórias com muito detalhe, além de apresentarem simplicidade e simpatia.Detalhe:Era Corinthiano...rsrs.Parabéns Maurício!Cada vez melhor

    ResponderExcluir
  5. Concordo com o que disse o Belmiro impressionante a lucidez, simplicidade e simpatia do Turcão e o Mauricio mais uma vez fazendo uma bela entrevista, no qual usa todo seu conhecimento para extrair o maximo do entrevistado.

    ResponderExcluir
  6. Conheci pessoalmente o Turcão numa festa de aniversário do Oberdan em junho/2012. Extremamente simpático e conversador. Lembra de tudo quando jogava futebol, até do gol da "geladeira" acontecido num Corinthians x Palmeiras em 1947. Perguntei-lhe quem chutava mais forte, Jair ou Pepe, ele respondeu-me que quem tinha o chute mais forte era o Beiço da Portuguesa.
    Nelson José Xavier da Silva
    City Lapa - São Paulo-SP

    ResponderExcluir
  7. Um ano depois desse último comentário, venho dizer que conheci o zagueiro Beiço, da Portuguesa, depois de aposentado. Eu tinha entre 7 e 9 anos e ele, mais de 40, talvez, mais de 45. Já estava aposentado, do futebol profissional. Beiço era gaúcho e morou um tempo, na minha cidade natal: a pequena Planalto - RS. Lá era treinador e jogador do time de várzea da cidade. Seu chute era um canhão. O Turcão, que eu nem vi jogar, falou a mais absoluta verdade, embora eu também não tenha visto Jair, nem Pepe. Beiço entrava só nos finais das partidas, para decidir os jogos em cobranças de falta à longa distância, ou tiros de meta, nos jogos dos campeonatos amadores. Seu chute era um absurdo! Cansei de ver o Beiço fazer gols, cobrando tiro de meta.

    ResponderExcluir
  8. Nelson José Xavier da Silva, obrigado pelos seus comentários. Confesso que desconhecia sobre esse jogador Beiço. Muito legal saber dessas histórias. Infelizmente fiquei sabendo do falecimento do Turcão no último dia 21 de abril. Acredito que a minha entrevista tenha sido a última do ex-jogador. Meus sentimentos à sua família.

    ResponderExcluir
  9. CHÃO PRETO

    Mês de junho de 2012. A campainha de casa toca e vou ver quem é. No portão vejo a Walkiria filha do Oberdan Cattani acompanhada de seu marido Roberto.
    - Nelson, vim trazer-lhe um convite de aniversário de meu pai. Ele vai fazer 93 anos. Vai ter uma festinha num Buffet lá na Pompéia. Quero ver você lá!
    - Obrigado Walkiria, estarei lá!
    No dia marcado lá estava eu com o presente na mão. Depois de cumprimentar o aniversariante, que estava na porta para receber os convidados, fui sentar numa mesa onde, entre outros, estavam o zagueiro Turcão e o ex-presidente do Palmeiras Mustafá Contursi.
    Cerveja vai, cerveja vem, o papo estava animadíssimo. Claro que a conversa era sobre futebol. A certa altura perguntei ao Turcão:
    - Turcão, você que esteve em campo me diga: Quem tinha o chute mais forte, o Jair ou o Pepe?
    - Nem o Jair nem o Pepe. Quem tinha o chute mais forte era o Beiço da Portuguesa. A sorte dos goleiros é que ele nunca acertava no gol. No Pacaembu, a bola ia parar lá nas piscinas que ficavam atrás da concha acústica. Que Rivelino que nada. Nem o Nelinho que mandou a bola para fora do estádio do Mineirão com a ajuda das mãos. Se fosse o Beiço, ele mandaria a bola para fora do Mineirão cobrando tiro de meta.
    Nisso chega a viúva do saudoso zagueiro Palante e olhando para o Turcão vai dizendo:
    - Ué, você esta usando bengala?Quantos anos você tem?
    - Tenho 86 anos! Respondeu Turcão.
    - Pois eu tenho 90 e estou inteirinha!
    - Só que você não levou botinadas como eu, concluiu Turcão.
    - Isto é verdade. Mas veja só o Oberdan. Ele tem os cabelos e o bigode pretinhos. Você já está careca e os poucos cabelos que tem estão brancos, disse sem cerimônia a viúva.
    - Só que tem uma coisa, completou Turcão. Quando eu vou pro chuveiro não acontece nada. O Oberdan quando toma banho o chão fica preto!
    De repente todo mundo se engasga com a cerveja numa risada só. Este Turcão é uma figurinha carimbada!

    Nelson José Xavier da Silva
    City Lapa - São Paulo-SP
    njxavierdasilva@yahoo.com.br

    ResponderExcluir