FTT - Futebol de Todos os Tempos

ENTREVISTAS COM EX JOGADORES, TECNICOS, DIRETORES E PESSOAS LIGADAS AO FUTEBOL QUE CONTRIBUIRAM DE ALGUMA FORMA PARA QUE PUDESSEMOS CONHECERMOS UM POUCO MAIS DA HISTORIA DO FUTEBOL BRASILEIRO E MUNDIAL.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

O Craque disse e eu anotei - RAFAEL

Obtive o telefone do Rafael Cammarota através do meu amigo Matheus Trunk que trabalha na Alltv. Contatei-me com ele e marcamos a entrevista. O Rafael é uma pessoa que fala o que pensa, sendo que tem uma história rica dentro do futebol, pois passou por boas equipes, sendo que o quarto onde guarda as suas lembranças é uma prova disso. Confiram a matéria.

FUTEBOL DE TODOS OS TEMPOS: O seu começo como goleiro foi no Corinthians?
RAFAEL CAMMAROTA: Comecei como Amador, depois fui pra Ponte Preta e voltei para o Corinthians. Saí vendido e voltei comprado.

FTT: Quando você começou a jogar no Corinthians no final dos anos 60 e início da década de 70, chegou a treinar com o Luiz Morais, o Cabeção?
RAFAEL: Sim, eu treinei com ele. Cheguei ao Corinthians em 1969, levado pelo Haroldo Campos. Eu estudava no colégio Paes Leme, considerado a boate de São Paulo, porque ficava na esquina da rua Augusta com a Paulista, sendo que existe hoje um grande banco lá. Jogava futebol de salão na linha e no gol. E o Doutor Haroldo me convenceu a fazer um teste no Corinthians. De 159 garotos, ficaram três e eu. Tive o prazer de trabalhar com o Cabeção, Luizinho Pequeno Polegar, José Castelli (Rato) e o Dino Pavão. Tinha um carinho muito grande por eles. Estas pessoas foram os meus ídolos, peguei o final de carreira do Cabeção e do Luizinho.
Rafael Cammarota o primeiro a esquerda no começo da carreira no Corinthians.


FTT: Você teve alguma referência como goleiro?
RAFAEL: Espelhei-me bastante no Ado. Gostava de vê-lo jogar, era canhoto como eu e vinha do Paraná. Tinha um goleiro italiano que gostava muito de ver jogar, que era o Dino Zoff.

FTT: Com quais jogadores você jogou nas Divisões de Base do Corinthians?
RAFAEL: Joguei com o Nílton, Ojeda, Wladimir, Laércio, Minervino e o Cândido. Eu acho que em termo de jogadores com qualidade técnica, nossa época  tivemos muitos mais frutos em termos de atletas que começaram no Amador do que hoje. Atualmente pra se revelar um grande jogador é difícil achar. E quando se consegue, já está nas mãos de algum empresário.

FTT: Você começou a jogar nos Profissionais em 1974. Por sinal, ficou pouco tempo.
RAFAEL: Pra subir, demorei cinco anos, passando por Juvenil A e B, Extra-Amador, Aspirante e Profissional. Hoje você vê garotos com 17 anos já militando entre os Profissionais.


FTT: Depois desta passagem pelo Corinthians, você foi jogar na Ponte Preta.
RAFAEL: Fui emprestado pra Ponte Preta na troca do Galli e do Mosca. Foi aí que realmente começou a minha carreira, porque a Ponte foi um grande celeiro de goleiros, além do Guarani nesta época. Jogar na Ponte Preta foi uma escola pra mim.


FTT: O Waldir Peres tinha acabado de ir pro São Paulo.
RAFAEL: Eu até peguei carona com ele em um corcelzinho azul. Vim de Campinas pra cá e ele acertando com o São Paulo. Na Ponte Preta já tinha o Moacir jogando, mas ele estava suspenso à nível jurídico. O Carlos ainda não tinha começado, porque estava nos Juvenis.

FTT: O que você tem a dizer sobre o grande goleiro Carlos?
RAFAEL: Grande amigo e companheiro, tanto ele como o Moacir. Vemos-nos até hoje. Morei de baixo da arquibancada da Ponte Preta quase quatro anos. Nós falávamos que um dia seríamos grandes e chegaríamos à Seleção Brasileira. Dos três o único que não chegou foi o Moacir, mas capacidade e qualidade pra isso ele tinha.


FTT: A Ponte Preta formou uma bela equipe que foi Vice-Campeã Paulista. Como jogava este esquadrão?
RAFAEL: Jogava por música. A capital do futebol brasileiro passou a ser Campinas, por causa do Guarani e da Ponte Preta. As duas equipes sobrevivem até hoje desta rivalidade, como Coritiba e Atlético ou Botafogo e Comercial. Tem que existir as grandes rivalidades no futebol. O time da Ponte de 1973 a 1977 não tinha pra ninguém. Não perdemos a decisão para o Corinthians, mas por coisas extra-futebol. Se fosse pela bola mesmo, mereceríamos ser Campeões Paulistas.
Ponte Preta x Corinthians 1977
FTT: Depois da passagem pela Ponte Preta, começou uma nova fase no futebol paranaense, do qual foi o grande momento da sua carreira, iniciando no Grêmio de Maringá.
RAFAEL: Eu não ia para o Grêmio de Maringá, pois meu empresário estava me levando pro Londrina, sendo que não conhecia o Norte do Paraná. A minha carreira começou ali depois de um acidente que tive, com sete fraturas no rosto e risco de perder a visão do olho esquerdo. O empresário me levou para o Norte paranaense e o treinador era o Paulo Leão. Eu ia para o Londrina e quando chegamos de manhã, ele me disse que era uma cidade bonita com muitos prédios, sendo que não os vi. Eu perguntei onde estavam os prédios e me disseram que tinha serração. Quando tomamos o café no hotel, consegui ver que não era Londrina, mas Maringá. O Paulo Leão queria ver se eu acertaria por aqui e acabei ficando.


FTT: No Maringá você foi no final dos anos 70. O que tem a dizer desta passagem?
RAFAEL: Fiquei em Maringá quase quatro anos. Foi o reinício da minha carreira. Para os médicos de Campinas, eu não jogaria mais futebol, por causa de um acidente que tive, pois a metade do meu rosto no lado esquerdo é platina, devido a um choque que tive com o Dario, o Dadá Maravilha. Foi algo que me marcou bastante, pois diziam que eu ia voltar com medo. Eu dizia que goleiro não pode ter medo. Corri o risco de ter dupla visão, de longe vendo dois e de perto ver um. Isso não existe pra goleiro, tanto é que num jogo no final do ano fomos jogar contra o Taubaté, sendo que o Muricy estava com a gente, além do Pedro Rocha, Tião e Adão. Tínhamos um time excelente. Eu estava com 62 pontos no rosto e era noivo da minha esposa. Larguei o meu carro em frente ao barracão de zinco, que nem existe mais, na Avenida Ibirapuera. Falei pra ela buscar o carro, pois quero ver se de longe vou ver dois carros e de perto ver um. Graças a Deus não ocorreu nada de mais, estourei somente quatro pontos e tirei aquela dúvida que tinha. Tive na minha carreira sete contusões dificílimas e saí bem de todas.

A VOLTA PARA O CORINTHIANS

FTT: Depois do Grêmio Maringá você voltou para o Corinthians, pegando o começo da Democracia Corintiana.
RAFAEL: O que disse a 30 anos atrás, digo novamente hoje, “que a Democracia era boa pra três”. São coisas que passaram. Se fosse atualmente, ficaria na minha, pelo que penso no momento. Na época pela idade que tinha, pelo caráter e por impetuosidade, pois falava as coisas sem medir as consequências, me prejudiquei um pouco. Hoje pensaria duas vezes, porque o Corinthians é o meu time de coração, estava onde queria, voltei porque quis, conseguindo provar o meu valor, mas infelizmente briguei com as pessoas erradas.



RAFAEL VOLTA AO PARANÁ, DESTA VEZ NO FURACÃO

FTT: Então você saiu do Corinthians, voltou para o Paraná e desta vez pro Atlético.
RAFAEL: Tinha propostas do Flamengo, Palmeiras e Santos. O Adílson Monteiro Alves não queria me emprestar pra nenhum desses clubes, alegando que o meu problema não era físico ou técnico, mas disciplinar. O Palmeiras queria uma troca com o Gilmar, sendo que depois nos encontramos em 1985, ele pelo Bangu e eu no Coritiba. Escolhi o Atlético porque me dei muito bem no Paraná, sendo ídolo e conquistando títulos.

FTT: Justamente nesta época do Atlético jogavam o  Assis e o Washington.
RAFAEL: Era o Casal 20. Eles começaram em 1982. O Hélio Alves foi buscar o Washington no Internacional e o Assis no interior de São Paulo. Tinha o Capitão, Nivaldo, Jair Gonçalves e o Roberto Costa. Era um time duro do goleiro ao ponta-esquerda. Tínhamos dois ou três jogadores pra mesma posição. De 81 a 85, no Paraná, não tinha pra ninguém. O Atlético foi o terceiro do Brasil com 70 clubes, somente perdendo para o Flamengo no Rio de Janeiro e ganhando em Curitiba. Em termos de time e de camisa, tanto o Atlético como o Coritiba eram fortes na época.


FTT: O Atlético também tinha um goleiro muito bom, que era o Roberto Costa.
RAFAEL: Jogamos juntos durante três anos. Tinha também o Joceli, que morreu em Santo André.

Rafael Cammarota e Mauricio Sabará segurando o poster com o Atletico PR campeão de 1983.

FTT: Uma passagem muito boa pelo Atlético Paranaense, indo depois para o Coritiba.
RAFAEL: Neste meio houve uma negociação com a Portuguesa de Desportos, envolvendo o Jorge Luiz, Nivaldo e eu. Em 1984 era classificatório o Campeonato Brasileiro, com o Atlético Paranaense não se classificando. Fomos emprestados pra Portuguesa, sendo que o seu presidente era o Oswaldo Teixeira Duarte. Chegando aqui em São Paulo tínhamos que ficar com o mesmo salário do Atlético. Ele disse uma coisa que eu não gostei, falando que o Atlético do Paraná era um time pequeno e a Portuguesa era grande. Disse à ele que estava enganado, porque em termos de estado e time, é um grande time do futebol paranaense e com uma grande torcida. Se for pra mim ficar com o mesmo salário, eu volto pra Curitiba. Só ficaram o Jorge Luiz e o Nivaldo. Houve interesse do Hélio Alves e do Angelino que eu galgasse a minha ida pro Coritiba.



RAFAEL VAI PARA O RIVAL EGANHA O BRASILEIRO

FTT: O futebol paranaense você conhece como poucos, tendo a felicidade de participar do Atletiba, jogando em ambos os lados. É um clássico forte como os demais do futebol brasileiro?
RAFAEL: Era e é até hoje. Eu acho que em termos de Atlético Paranaense, a cobrança é bem maior. Você perder um Atletiba, fatalmente no dia seguinte terá dispensa de jogador e briga. O Atlético  é o Corinthians no Paraná. Tem um Corinthians Paranaense que não dá pra comparar com o de São Paulo. Já o Coritiba é o Palmeiras. A rivalidade é muito grande, mas a diferença é que você jogando no Coxa contra o Atlético é um jogo mais normal, existindo a rivalidade, mas com menos cobranças. A torcida atleticana cobra mais que a do Coritiba, que é mais pacífica e entendedora.

FTT: Chega provavelmente o grande momento da sua carreira, quando é contratado pelo Coritiba, time do qual foi Campeão Paranaense em 1986 e Brasileiro no ano de 1985, provavelmente o título mais importante da história do clube. Como foi a sua passagem pelo Coxa?
RAFAEL: Deixei o meu nome escrito na história. Faço parte do museu do Coritiba. É o maior título do clube e graças a Deus ajudei  a conquistar. Fiz parte de um grupo excelente, uma família e pena que as grandes festas deles no mês de agosto não vão ter mais, pois quem fazia veio a falecer. Minha passagem do Atlético para o Coritiba foi tumultuada, pois em termos de torcidas, não queriam que eu fosse para o Coxa. Muita gente me dizia que essas saídas de um clube pra outro nunca deu certo. Lembrei do Zé Roberto, que jogou nos dois, jogando tão bem como eu. Pra mim é balela, porque joguei 25 anos no futebol. o que joga não é a camisa, mas a pessoa. Vestia a camisa de outro clube da mesma forma que vestia a do Atlético, com amor, garra e determinação, honrando o uniforme que vestia.




FTT: No Coritiba você fez parte de um time muito bom, que tinha o goleiro Jairo que é recordista de partidas pelo Coxa, Lela, Índio e muitos outros.
RAFAEL: O ataque era formado por Lela, Índio e Edson. Já o meio-de-campo jogava com Amarildo, Almir e Tóbi. Lá atrás tinha eu, André, Gomes, Heraldo e Dida. No início o capitão era o Heraldo, sendo depois o Gomes, que era o único que tinha sido Campeão Brasileiro, pelo Grêmio.

FTT: Neste Campeonato Brasileiro você foi eleito o melhor goleiro da competição. Teve uma partida histórica no Mineirão, contra o Atlético Mineiro, nas semifinais, que você pegou tudo.
RAFAEL: Foi num domingo, pois decidimos o título numa quarta-feira à noite, no Rio de Janeiro. Em Belo Horizonte enfrentamos 75 mil pagantes. Por coincidência era aniversário do Nelinho, que batia mal na bola (risos...). Era um Rogério Ceni da época. Nós entramos em campo debaixo de vaias. Tinha uns 5 mil torcedores do Coritiba. Disse que este parabéns pra você seria pra nós no final do jogo. Eles tinham certeza que iriam ganhar. Encontrei com o Reinaldo aqui em São Paulo e ele me disse que tinha certeza que perderíamos pra eles no Mineirão, se não fosse eu, sendo que respondi que “se não fosse o time do Coritiba”. Naturalmente eu trabalhei mais, pois o Coxa mais se defendeu do que atacou. A força individual do Atlético era superior à do nosso time, pois sabíamos das nossas limitações, porque o técnico Ênio Andrade conversava bastante conosco, tínhamos liberdade pra conversar com ele cara a cara, aprendi muito com o Ênio e que em termos de futebol entendia bastante.
video
No video o gol da partida em Curitiba e uma defesa de puro reflexo de Rafael no Mineirão.

Coritiba Campeão Brasileiro 1985 -  A partir da esq: Gomes, Heraldo, Almir, Rafael, André e Dida. Agachados: Lela, Marildo, Indio, Toby e Edson.


FTT: Foi 0 a 0 no Mineirão, chegando a grande final contra o Bangu, sendo que os outros times fortes no campeonato eram o Flamengo, Grêmio, Sport e São Paulo.
RAFAEL: Em Coritiba ganhamos do Atlético Mineiro por 1 a 0 com o Jairo no gol, sendo que o único jogo que fiquei de fora por conta do cartão amarelo, além de uma partida contra o Cruzeiro com o Gérson no meu lugar. O time jogou 36 partidas e atuei em 34. A equipe do Flamengo tinha Zico, Adílio e Andrade. Eu sonhei com esses caras antes do jogo. Ganhamos deles no Maracanã com um gol do Amarildo, sendo que o goleiro deles era o Fillol. O Coritiba não foi campeão por acaso, pois como o Bangu, penamos pra chegar à final. E era separado, com os vinte maiores e os vinte maiores. O Bangu saiu do menor e uniu na final pra saber quem era o campeão do Brasil. O Flamengo não quis depois jogar com o Sport em Recife.
Rafael ergue a taça de campeão brasileiro de 1985. O titulo mais importante na historia do Coritiba .


FTT: A final do Campeonato Brasileiro foi provavelmente o maior jogo da história do Coritiba e talvez da sua carreira, Rafael.
RAFAEL: Não posso dizer que foi, pois também fiz grandes partidas em outras equipes. Fui vice-campeão da primeira Copa do Brasil pelo Sport, perdendo para o Grêmio na final, em 1989. Só não ganhamos por causa de erro da arbitragem, o que existe até hoje. Empatamos em 0 a 0 na Ilha e perdemos por 2 a 1 em Porto Alegre, um resultado contestado. Em termos de título, o que me marcou bastante foi a conquista do Campeonato Brasileiro, mas na questão de performance nos outros 14 clubes, sempre mostrei um bom trabalho, inclusive na Seleção Brasileira.

Rafael segurando a Bola de Prata que ganhou em 1985. Ao fundo o quadro com a foto dele levantando a taça do Brasileirão .


FTT: Fale desta final contra o Bangu.
RAFAEL: Primeiro precisamos passar do Atlético Mineiro. Que foi o nosso grande trunfo. Pensavam que iríamos chegar a Minas e o Atlético iria atropelar, pois já estava bom demais para o Coritiba. Mas conseguimos segurar os 0 a 0, sendo que já tínhamos vencido por 1 a 0 em Curitiba. Ficamos até terça-feira em Belo Horizonte, nos concentrando na Toca da Raposa. O Bangu jogava com o Brasil de Pelotas no Maracanã, ganhando por 3 a 1. Nós empatamos com jogadores de nível de Seleção Brasileira. Eles contavam que o Coritiba seria uma presa fácil dentro do Maracanã. Não era só a torcida do Bangu, mas do Rio de Janeiro contra o Coxa. Torcedores nossos eram somente 10 mil, mas tinha mais de 2 milhões e meio em Curitiba torcendo pra gente. Eu acho que o estado todo naquela noite torceu pra nós, porque era o Paraná contra o Rio. Foi um grande jogo. Saímos do hotel Copacabana Plaza as 5 horas da tarde. Eu ainda brinquei com o Senhor Ênio, dizendo que “o jogo era às 21h40min, tendo que sair agora”! Ele falou que eu iria ver o trânsito que iríamos pegar. Chegamos no estádio às 8 horas da noite. O Bangu chegou às 21:35, tendo que os jogadores dele sair do ônibus e ir a pé para o Maracanã. Entramos em campo e ficamos esperando 35 minutos por eles, tanto é que o jogo acabou à 1 e meia da manhã. Foi um sufoco geral, com o Coritiba mais marcando do que jogando. O intuito mesmo era levar para os pênaltis e levamos. A equipe do Bangu teve muito mais volume de jogo. O Ênio armou o time pra tentar ganhar em esporádicos contra-ataques com o Lela, Edson e Índio. Fica difícil, porque o Bangu em termos individuais tinha grande s jogadores.
Rafael salvando o Coritiba na finalissima contra o Bangu no Maracanã.


FTT: O Coritiba foi Campeão Brasileiro e você foi escolhido como o melhor goleiro da competição. Chega 1986 e no final deste ano é convocado pra Seleção Brasileira que se classifica para o Panamericano de 87.
RAFAEL: Fui convocado para a principal, mas não pude me apresentar. É uma história engraçada. Fizeram um jogo amistoso entre Coritiba e Atlético, que era pra dar a maior renda do estado, com o Campeão Brasileiro e o Paranaense. Iríamos entregar a faixa de Campeão Paranaense pra  eles e receberíamos a de Campeão Brasileiro deles. Só que esqueceram que a rivalidade é grande e choveu o dia inteiro. Eles esperavam que ia dar uma renda estrondosa , mas deu 2 mil pagantes. O que eu implorei pra não ter aquele jogo, pra marcar outra data, mas
eles queriam jogar. No gol do Atlético, o Dé estava impedido, com todo o mundo correndo pra cima do bandeira. Se não me engano, expulsaram o Gomes e depois teve o cai cai, comigo participando. E quando cheguei em casa, minha esposa disse que perdi a Seleção Brasileira, pois eu sabia que seria convocado , porque o Telê Santana havia dito, sendo que os goleiros eram o Carlos, eu, Paulo Vítor e Gilmar (Bangu). Estava suspenso a nível estadual, mas jogava a Libertadores. A nível de Seleção Brasileira, se você for convocado, servirá o seu país. Uma coisa regional não pode impedir algo nacional. O Telê disse que não foi por motivo técnico ou físico, mas jurídico. Acabei não sendo convocado e no meu lugar entrou o Leão, que foi a última Copa do Mundo dele, reclamando depois por ser o terceiro goleiro.  Em vez de ser o Gilmar do Bangu convocado, foi o do São Paulo, que depois acabou sendo cortado. Acabei convocado para o Pré-Olímpico. A convocação pra Copa foi na sexta-feira e na segunda eu fui absolvido. Convocaram-me para o Pré-Olímpico, jogando com Dunga e Dida. Eu era o vovô deles. Nosso treinador era o Jair Pereira e fizemos uma grande campanha no Chile.
Rafael e suas diversas faixas de campeão nos times paranaenses: Gremio Maringá, Atletico e Coritiba

Mauricio Sabará e rafael Cammarota com um poster do goleiro nos tempos de Coritiba.

FTT: Você sonhava em ir pra Copa do Mundo de 1990?
RAFAEL: Sonhava e tinha condições, pois ainda estava bem. Mas a grande chance que tive foi em 1985, mas por causa de um Atletiba, fiquei de fora. Hoje você sendo Campeão Brasileiro se tem grandes pretensões. O Coritiba foi campeão sem gastar um tostão, porque a premiação que nos foi prometida não foi paga. Eu não tenho medalha de Campeão Brasileiro. O Evangelino, que Deus o tenha em bom lugar, teve a brilhante idéia de vender as nossas medalhas para os sócios do Coritiba. E na festa que teve em Coritiba eu falei para que nos devolvessem estas medalhas, pois elas nos pertencem. Não existe você não ganhar a medalha. Aquela euforia que estava no Maracanã, queríamos pegar o troféu e fazer a festa, porque as luzes foram apagadas, deixando apenas uma torre acesa. Não houve nem entrega de faixas. Deram o troféu em nossas mãos e tchau. Estávamos com o ordenado atrasado. Hoje é diferente. Naquela época era normal atrasar o pagamento. Achavam que atrasando, o cara jogava mais. Pelo contrário, isso atrapalha o atleta dentro do campo, porque ele tem água, luz, telefone e família pra sustentar. Naquela época se usava esta tática, atrasar o pagamento, que ele joga.

FTT: Depois do Coritiba você jogou também pelo Sport.
RAFAEL: Disputei a Taça do Nordeste, que ganhamos. Aí veio a Copa do Brasil, onde o Sport chegou à final contra o Grêmio, em 1989. O juiz Aragão nos prejudicou. Empatamos em 0 a 0 na Ilha, com muitos erros de arbitragem no meu modo de entender. Lá em Porto Alegre, a coisa pegou, porque o Olímpico estava lotado, com o Mazzarópi fazendo gol contra após um cruzamento de bola, jogando ela pra dentro do gol. O Grêmio empatou. E o segundo gol foi feito pelo Cuca, em uma falta que não existiu. Cobraram ela rapidamente, com o Cuca entrando e fazendo o gol. Este jogo foi no domingo e na quarta-feira jogamos contra eles pelo Campeonato Brasileiro, ganhando de 2 a 0 do Grêmio no Olímpico, com eles gozando a gente dizendo que não valia mais nada. Mas o verdadeiro campeão, na minha opinião, deveria ser o Sport, por  tudo aquilo que fizemos na primeira Copa do Brasil.
O time do Sport Recife , vice campeão da Copa do Brasil 1989
Rafael salvando mais uma na final contra o Grêmio
 .
FTT: Depois do Sport você jogou em quais clubes?
RAFAEL: Joguei em 13 clubes. Voltei para o Atlético Paranaense em 1991, que estava na Segunda Divisão e subimos pra Primeira. Retornei ao Coritiba em 92, da mesma forma, voltando também pra Divisão Principal. Aí vim para o Santo André. Estive no São José entre 1988 e 1989, sendo Vice-Campeão Paulista perdendo duas finais para o São Paulo, sendo que tenho muitas saudades do time da Águia do Vale. Joguei também no Fortaleza, Ferroviária, Paulista de Jundiaí e meu último clube foi o Brasil de Pelotas, com 40 pra 41 anos, em 1995. Aí quis parar. Comecei a minha nova carreira em uma Escolinha de Futebol, virei treinador de goleiros e em 2006 me firmei como técnico de futebol.

FTT: Por sinal você teve uma passagem famosa pelo Atlético Catarinense.
RAFAEL: Fui pro Atlético através de um convite do Teodoro, que era empresário de futebol, empresariando atualmente somente cantores sertanejos. Fiz uma boa campanha na Barbarense, onde fiquei um ano e meio. Me transferi para o União de Mogi e depois para o Atlético Catarinense, onde fiz uma boa campanha de 6 jogos, tínhamos que ganhar 5 pra ir à final, sendo que perdemos a classificação para o Tubarão, que subiu pra Primeira Divisão e permanecemos na Segunda.

FTT: Pra finalizar, eu vou falar do grande clube da sua carreira, que foi o Coritiba, que acabou de ser Campeão Paranaense neste ano de 2011, sendo que está mais de 20 partidas só ganhando.
RAFAEL: Fez 22. Eu disse em uma rádio de Curitiba, que é um mérito muito grande, mas não dá pra fazer comparações. O time de 1971 a 1976, no Paraná, não tinha pra ninguém. De 85 a 89 também foi um grande time. Cada um na sua época. Não deixamos de aclamar o que o Coritiba fez neste ano, pois é o mesmo time que havia caído em 2009. Foi um time montado pelo Nei e espero que no Brasileirão tenha a mesma performance e iremos agora equiparar com o Palmeiras em termos de Copa do Brasil, acredito que será um grande jogo, espero que vença e vá as finais. Se um time conseguiu tantas partidas invictas, foi campeão, chegou a hora de mostrar que é grande.


REPORTAGEM: Maurício Sabará Markiewicz.
FOTOS: Estela Mendes Ribeiro.
 

11 comentários:

  1. Quando o meu amigo Matheus Trunk disse que me passaria o telefone do Rafael Cammarota, fiquei muito feliz, porque achei legal entrevistar alguém que jogou com destaque no futebol paranaense. Rafael tem um nome forte no Paraná, principalmente no Coritiba, quando conquistou o título mais importante da história do clube e de sua carreira. Gostei bastante dele pelo seu jeito direto e objetivo de falar.

    ResponderExcluir
  2. Grande entrevista.

    E o Rafael... sempre polêmico!

    ResponderExcluir
  3. Este jogo comentado na entrevista entre Coritiba x Atlético me lembro bem. Inumeros amigos atleticanos no dia seguinte comentavam das defesas que Rafael fez durante a partida levando o Coritiba a final.
    Muito boa a entrevista do Mauricio , nos trazendo um pouco da historia do futebol paranaense.Rafael conseguiu ser bicampeão no Atlético PR depois de longo jejum e logo a seguir foi campeão brasileiro pelo Coxa.

    ResponderExcluir
  4. A princípio nem imaginava quem era , mas quando vi a primeira foto minha mente clareou.Cheguei a ve-lo jogar, pela tv, claro, embora fosse apenas um adolescente me lembro muito bem de Rafael.Era um grande goleiro.

    ResponderExcluir
  5. Bacana demais a entrevista. Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Muito boa mesmo a entrevista. E o Rafael jogava muito mesmo!!

    ResponderExcluir
  7. Pelo que vi Rafael foi um tremendo idolo no futebol do Paraná. Ganhou titulo nos dois rivais e marcou seu nome no Gremio Maringá tambem.
    Mais uma vez aprendi muito com esta entrevista.
    parabens ao Mauricio e ao Rafael pela sinceridade na respostas, adooooro isto.

    ResponderExcluir
  8. Sou fã do Rafael pela sua história muito bonita em nosso Estado e principalmente aqui em Maringá.Tudo de bom a todos.

    ResponderExcluir
  9. Sdd das sardinhas na brasa na casa do Zura, e aquele Opalão 4100 com placa da Jamaica. Rafa ídolo eterno em Maringá.

    ResponderExcluir
  10. Vota P/ o Gremio Maringá p/ ensinar.

    ResponderExcluir
  11. Rafael é possivelmente (ao lado de Tostão) o maior ídolo de todos os coxas que nasceram até meados da década de 70.

    ResponderExcluir