FTT - Futebol de Todos os Tempos

ENTREVISTAS COM EX JOGADORES, TECNICOS, DIRETORES E PESSOAS LIGADAS AO FUTEBOL QUE CONTRIBUIRAM DE ALGUMA FORMA PARA QUE PUDESSEMOS CONHECERMOS UM POUCO MAIS DA HISTORIA DO FUTEBOL BRASILEIRO E MUNDIAL.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

O Craque disse e eu anotei - YESO AMALFI

Em 2010 foi lançado o livro de Yeso Amalfi. Como fã do futebol do passado, comprei esta obra. Nela pude ler a gloriosa história de Yeso, jogador revelado pelo São Paulo de Leônidas da Silva, que jogou no Boca Juniors ao lado de Heleno de Freitas, fez parte do time do Peñarol com os futuros campeões de 1950, atuando também no Torino e com grande passagem pelo futebol francês. Conheci o filho dele (Fabio Amalfi) que me autorizou a entrevista. Confiram a matéria.


FUTEBOL DE TODOS OS TEMPOS: O seu início foi na Várzea, jogando pelo Éden do bairro da Liberdade. Depois você foi para o São Paulo.
YESO AMALFI: Teve dois São Paulo’s. O da Floresta, onde jogava o Friedenreich. E o São Paulo Futebol Clube pobre, do meu tio, próximo à Avenida São João. A sede do Palestra-Itália era no Ponto Chic onde inventaram o Bauru. Quando jogavam São Paulo e Palestra, saía briga. Era tudo lá na esquina da Avenida Ipiranga com a São João, com os teatros, cinemas, ou seja, São Paulo era concentrado ali, na Rua Barão de Itapetininga, Praça do Patriarca e Largo São Bento. Antes de estrear nos Aspirantes do São Paulo, eu era interno no colégio Mackenzie. Eles me aceitaram pra disputar a Olimpíada Mackemedia (Mackenzie X Medicina), sendo que eu sempre ganhava os jogos. Um diretor do São Paulo, me vendo jogar, me levou pra lá, quando o estádio era o Canindé, que pertencia a um clube alemão, no início dos anos 40.
FTT: No São Paulo, em 1946, você atuou em algumas partidas do time do São Paulo que foi Bicampeão Paulista invicto num grande ataque, formado por Luizinho, Sastre, Leônidas, Remo e Teixeirinha.
YESO: E tinha a defesa, com Gijo, Piolim e Renganeschi, completando a linha média com Bauer, Ruy e Noronha. Quando o Sastre voltou pra Argentina, fui pro lugar dele. Mas, na ocasião em que eu estava jogando bem, o Sastre veio aqui e me levou pra jogar no Boca Juniors em 1948, logo após o torneio Quintela de Ouro, com Corinthians, São Paulo, Palmeiras, Boca e River Plate.

Jogadores do São Paulo de 1945, quando o clube conquistou pela segunda vez o Campeonato Paulista em sua história. Na primeira fileira, da esquerda para a direita e de cima para baixo, estão Bauer, Renganeschi, Barrios, Leônidas, Rui, Virgílio, Luizinho e André; na segunda fileira vemos Gijo, Sastre, Noronha, Zarzur, Teixeirinha, Remo, Piolim e Fernando; na terceira fileira estão Leopoldo, Savério, Hélio, Alfredo, Ministro, Jacob, Américo e Yeso Amalfi; sozinho na última fileira está Armando


FTT: Voltando ao São Paulo, o que você lembra do Leônidas da Silva?
YESO: O Leônidas era o grande ídolo do Rio de Janeiro, centroavante do Flamengo, o clube mais popular da cidade e que tinha um timaço. Quando ele chegou no São Paulo, em 1942, estava gordo, por isso era chamado de Bonde (jogador em final de carreira). Depois entrou em forma, nunca deu trabalho ao clube, jogador correto, ajudava a todos e um dos maiores craques que vi jogar. Era muito amigo meu e me ajudou muito quando comecei a jogar nos Profissionais. Outro que eu gostava era o Tim, o melhor meia do Brasil. E tinha o Domingos da Guia, o grande zagueiro brasileiro que vi jogar. O melhor time do Brasil, nesta época, era o Vasco da Gama.

YESO AMALFI CONQUISTA OS ARGENTINOS

Yeso Amalfi e Heleno de Freitas uma grande dupla no Boca Juniors


FTT: No Boca Juniors você jogou com o Heleno de Freitas.
YESO: Ele era o melhor centroavante do Brasil e da América do Sul naquela época (1948). Muito amigo meu, formado em Advocacia e jogava no Botafogo do Rio. No Boca Juniors eu estava jogando muito bem, sendo que o time precisava de um centroavante e o presidente me pediu pra buscá-lo. Na estréia dele, contra o Banfield, ganhamos de 3 a 0 e ele marcou dois gols.
Yeso Amalfi um idolo brasileiro no Boca Juniors

 Boyé, Negri, Heleno, Yeso Amalfi e Pin


FTT: Na Argentina você jogou contra o River Plate de Moreno, Pedernera, Labruna, Di Stefano, e Lostau.
YESO: Eu vi estes craques em ação. O futebol argentino era o melhor daquela época. A equipe do River Plate era formada por Carrizo, Vaghi e Ferreira; Yacono, Nestor Rossi e Ramos; Muñoz, Moreno, Pedernera (Di Stefano), Labruna e Loustau. Era um timaço. O time do Boca Juniors tinha Vaca, Marante e De Sorzi; Carlos Sosa, Lazarti e Pescia; Boyé, Negri, Heleno de Freitas, Eu e Gomes Sanches. O Heleno, com saudades do Rio de Janeiro, quis voltar logo.

Yeso Amalfi com a camisa azul do Boca Juniors.
FTT: Depois do Boca, você foi jogar no Peñarol do Uruguai, em 1949.
YESO: Fui campeão invicto com o Peñarol. Joguei depois alguns meses no Palmeiras, em 1950, sendo campeão da Taça Cidade de São Paulo. Eu assisti a Copa do Mundo no Brasil. Vinha do Peñarol, grande time da época, base da Seleção Uruguaia que ganhou o título no Rio de Janeiro em cima dos brasileiros, era o melhor jogador e por tudo isso merecia estar na Seleção Brasileira. Tirando eu, o time do Peñarol era a Seleção Uruguaia, com Máspoli, Obdulio Varela, Andrade, Migues, Vidal, Ghigghia e Schiaffino. Na final, quando perdemos por 2 a 1, estava viajando de navio no litoral de Pernambuco pra jogar no Olympique de Nice. Fui com um cartaz violento pra França.


 
No Nice da França um grande momento de sua carreira

Yeso Amalfi está agachado ao centro segurando a bola. Campeão frances pelo Nice em 51.



FTT: No Nice você também participou da Copa Rio de 1951, vencida pelo Palmeiras.
YESO: Este time havia subido pra Primeira Divisão e ganhamos o Campeonato Francês. Na Copa Rio só joguei um jogo, que foi justamente contra o Palmeiras, com craques como Jair Rosa Pinto, Oberdan Cattani, Waldemar Fiúme, Lima, Rodrigues e Canhotinho. Perdemos a partida.
Na França eu conheci Brigite Bardot, Sophia Loren e Gina Lolobrigida. Adorava andar ao lado de mulheres bonitas. Eu era mulherengo, mas não bebia. Frequentei muito o Festival de Cannes.
Yeso Amalfi fez muito sucesso na França. Era convidado para festas e apresentações pois se tratava de figura importante e querida .

FTT: Após a Copa Rio você foi jogar no Torino da Itália, dois anos depois da tragédia de avião que matou todo aquele grande time.
YESO: Esta equipe havia jogado uma partida amistosa na Inglaterra e, na volta, o avião passou atrás de uma igreja, a ponta dele pegou na torre, explodiu, morrendo todo o time do Torino, que era o melhor do mundo, sendo que ganharam vários títulos seguidos na Itália. Eu também ganhei um campeonato com eles.
Yeso Amalfi e Mauricio Sabará.

FTT: Em 1952 você teve uma rápida passagem por Mônaco, conhecendo inclusive a Grace Kelly. No mesmo ano foi contratado pelo Racing da França, onde viveu os melhores momentos da sua carreira.
YESO: Eu era um ídolo na França. Muitos queriam que me naturalizasse francês pra jogar na Seleção do país, mas, por amor ao Brasil, nunca aceitei. O Canhotinho também jogou comigo lá. Divulguei o futebol brasileiro, era rápido, tocava bem a bola, marcava muitos gols, tinha técnica, enfim, os franceses me idolatravam. Não era somente elogiado por torcedores, mas também muitos artistas gostavam de mim.
Na Europa a Hungria era a grande Seleção da época, principalmente depois que os húngaros venceram os ingleses por 6 a 3 em Wembley. Certa vez enfrentamos os alemães em Berlim, ganhamos por 2 a 1, mas percebemos que já se tratavam de fortes candidatos pra Copa do Mundo de 1954, com jogadores como Fritz Walter, Rahm, Turek e Posipal.
Anos depois, o time que nos dava mais trabalho na França era o Reims, que formava uma equipe com jogadores que se consagrariam anos depois no Mundial da Suécia, como Piantoni, Just Fontaine e Kopa, que era o meu grande rival.



Red Star Campeão 1955/56 - Em pé a partir da esquerda estão: Bohée, Hugues, Pasik, Lamy, Lapoire e Loubiére. Agachados: Just Fontaine, Yeso Amalfi, Melbergue, Quenolle e Gondouin.

FTT: Em 1956 você foi jogar no Red Star de Paris e no ano seguinte transferiu-se para o Olympique de Marselha, onde encerrou a carreira em 59.
YESO: Isso mesmo. Também foram boas passagens. E depois voltei para o Brasil.


REPORTAGEM: Maurício Sabará Markiewicz.

FOTOS: Estela Mendes Ribeiro.

7 comentários:

  1. Yeso Amalfi foi um grande jogador, mas pouco conhecido no Brasil. Mesmo sendo revelado pelo São Paulo, onde foi Campeão Paulista em 1946, teve uma carreira mais importante no Exterior, principalmente na França, onde fez história. Gosto muito de entrevistar jogadores antigos, que podem relembrar uma época que é desconhecida para as gerações atuais. Yeso, mesmo tendo mais de 80 anos, tem uma excelente memória de fatos da sua época.

    ResponderExcluir
  2. Maravilhosa entrevista.Percebi muita sinceridade e uma lucidez fora do comum, além do mais quantas histórias interessantes.Gostei muito mesmo.Parabéns Maurício

    ResponderExcluir
  3. Bela entrevista, Maurício.

    Que lucidez do Ieso!!

    E onde ele passou, foi campeão!! Rs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por que o riso no final da frase?

      Excluir
  4. Yeso Amalfi
    Talvez mais conhecido para os franceses do que para os brasileiros. Lá é reverenciado e atuou em tres times diferentes conqusitando a todas as torcidas. Tornou-se celebridade obrigatoria nos eventos reais pois seu nome era sinonimo de sucesso.

    Bela entrevista Mauricio.
    Parabens Yeso por ter levado o nome do Brasil ao topo do futebol.

    ResponderExcluir
  5. Na entrevista é citado que Yeso Amalfi foi campeão pelo Palmeiras da Taça Cidade de São Paulo de 1950. Na verdade, ele disputou o Torneio Nacional/Quadrangular Prefeito Lineu Prestes. A Taça Cidade de São Paulo foi disputada do dia 30 de Julho a 06 de Agosto, quando Yeso já era jogador do Nice da França.

    ResponderExcluir
  6. EXCELLENT ENTREVISTA !!!!

    ResponderExcluir