FTT - Futebol de Todos os Tempos

ENTREVISTAS COM EX JOGADORES, TECNICOS, DIRETORES E PESSOAS LIGADAS AO FUTEBOL QUE CONTRIBUIRAM DE ALGUMA FORMA PARA QUE PUDESSEMOS CONHECERMOS UM POUCO MAIS DA HISTORIA DO FUTEBOL BRASILEIRO E MUNDIAL.

sábado, 7 de agosto de 2010

Esquadrão Inesquecivel - SÃO PAULO 1970/71

O São Paulo envolvido com a construção do seu estadio o Morumbi ficou 13 anos na fila por um titulo. Desde o time de 1957 onde faziam parte estrelas como Zizinho, Canhoteiro , Gino e Poy que o tricolor não vencia um campeonato.
A diretoria então resolveu investir e contratou varios jogadores para voltar a vencer o campeonato paulista.

Toninho Guerreiro foi peça fundamental na conquista do bicampeonato

A montagem do time de 70 foi feita a dedo, e com fartura, devido as sobras do dinheiro arrecado com o carnê do Paulistão. A diretoria do São Paulo tirou o bom volante Edson Cegonha do rival Corinthians, o goleador Toninho Guerreiro do Santos, que queria provar a qualquer custo que podia vencer e marcar gols longe de seu companheiro Pelé, trouxe ainda o bravo e valente lateral direito Forlán do Peñarol do Uruguay, e o maestro Gérson, o canhotinha de ouro, que deu o toque especial a esse time. Na cabeça dos dirigentes ele seria o Zizinho dos anos 50, o Leônidas dos anos 40, todos já veteranos, que chegaram no Tricolor para brilhar, e com Gérson não foi diferente, fazendo valer a contratação mais cara da época.

Para o comando da equipe, foi contratado Zezé Moreira comandante da seleção brasileira na copa de 1954, ele soube muito bem mesclar jogadores mais experientes e remanescentes de anos anteriores, como Jurandir, Roberto Dias, Terto e Paraná. Também promoveu das equipes de base duas grandes promessas, o lateral esquerdo Gilberto, que fez história no tricolor, e o meia atacante Paulo Nani.
 
Roberto Dias segurança na defesa do tricolor

Devido a copa do mundo, o estadual de 70 teve um formato mais enxuto, contou apenas com 10 equipes, que jogaram entre sim em turno e returno, aquele que somasse mais pontos seria o campeão. O Tricolor começou sua campanha com algumas oscilações, venceu apenas três partidas nas seis primeiras rodadas, porém nos jogos seguintes, conseguiu uma boa sequência de 6 vitórias em nove jogos disputados, ficando apenas a uma vitória do título, faltando duas rodadas para o término da competição. O jogo foi contra o Guarani, lá em Campinas, quarta-feira à noite, e teve um tempero especial, no comando da equipe Bugrína estava o ex jogador do São Paulo Renganeschi, herói do título invicto de 1946, em cima do Palmeiras. O jogo contra o Bugre terminou 2×1 para o tricolor, gols de Toninho Guerreiro e Paulo, Vagner descontou para a equipe campinera.


O maestro Gérson não pode jogar a partida que nos deu o nono título Paulista ao São Paulo, devido a uma torção no tornozelo na rodada anterior, contra a Ponte Preta.
Gerson


O grande destaque dessa conquista, foi Gérson de Oliveira Nunes, o canhotinha de ouro, nascido em Niterói (RJ), a 11 de janeiro de 1941. Gérson chegou ao Tricolor já desacreditado, devido a sua idade, mas ele mostrou muita competência na regência do time no meio campo, com lançamentos perfeitos, que deixavam nossos atacantes na cara do gol, era dono de um chute muito potente, jogou 93 partidas, em dois anos de clube e marcou 12 gols.
Na última rodada, ainda venceram Corinthians por 1×0, praticamente com o time reserva.


Primeiro turno

28/06/1970 São Paulo 1-0 São Bento (Sorocaba)
01/07/1970 Portuguesa de Desportos 2-1 São Paulo
05/07/1970 Ponte Preta 2-2 São Paulo
12/07/1970 Santos 2-3 São Paulo
16/07/1970 São Paulo 2-1 Ferroviária
19/07/1970 São Paulo 1-1 Corinthians
26/07/1970 Botafogo (Ribeirão Preto) 1-2 São Paulo
29/07/1970 Palmeiras 0-1 São Paulo
01/08/1970 São Paulo 0-0 Guarani

Segundo turno
09/08/1970 São Paulo 3-2 Santos
16/08/1970 Ferroviária 2-0 São Paulo
19/08/1970 São Paulo 1-0 Portuguesa de Desportos
23/08/1970 São Paulo 0-1 Palmeiras
26/08/1970 São Paulo 4-0 Botafogo (Ribeirão Preto)
30/08/1970 São Bento (Sorocaba) 0-3 São Paulo
05/09/1970 São Paulo 2-0 Ponte Preta
09/09/1970 Guarani 1-2 São Paulo
13/09/1970 Corinthians 0-1 São Paulo

Jogo do título
Guarani 1x2 São Paulo
Estádio Brinco de ouro da Princesa (09/09/1970)

Guarani: Pérez; Wilson, Cidinho, Tininho (guassi) e Ferrari (Cido); Hélio e Mílton; Vágner, Capelozza, Vanderlei e Caravetti. Técnico: Renganeschi.

São Paulo: Sérgio; Pablo Forlan, Jurandir, Roberto Dias e Gilberto Sorriso (Tenente); Édson e Nenê; Paulo, Terto (Benê), Toninho Guerreiro e Paraná. Técnico: Zezé Moreira.

Gols: primeiro tempo - Toninho 27' e Paulo 34'. Segundo tempo - Vágner 22'.
Juíz: Armando Marques.

http://www.youtube.com/watch?v=dkKvOZe9SmQ
 
O time de 1971 ficou ainda mais forte com a contratação do uruguaio Pedro Rocha. O time chegava ao bicampeonato paulista com um meio campo e ataque jogando muito bem. Gerson e Pedro Rocha armavam e ajudavam Toninho Guerreiro , Paraná e Terto a fazerem inumeors gols .
 
A final contra o palmeiras e o bicampeonato.


Palmeiras 0x1 São Paulo
Morumbi (27 de junho de 1971)
Público: 103.887 pagantes
Palmeiras: Emerson Leão; Eurico, Luís Pereira, Minuca e Dé; Dudu e Ademir da Guia; Edu, Leivinha, César Maluco e Pio (Fedato). Técnico: Mário Travaglini.

São Paulo: Sérgio; Pablo Forlan, Jurandir, Arlindo e Gilberto Sorriso; Édson, Gérson e Pedro Rocha (Carlos Alberto); Terto, Toninho Guerreiro e Paraná. Técnico: Osvaldo Brandão.

Gol: Toninho Guerreiro, aos 5 min. do 1º tempo.
Árbitro: Armando Marques

3 comentários:

  1. O São Paulo montou um excelente time no início dos anos 70, com a intenção de conquistar um título que não vinha desde 1957, quando se preocupou mais com a construção do estádio do Morumbi. Vieram se juntar à Roberto Dias e Jurandir nomes como Pedro Rocha, Toninho Guerreiro e o inesquecível Gérson. A conquista do Paulistão de 1970 veio de forma fácil. Já o Bi em 71 aconteceu de uma forma mais disputada cotra a segunda Academia do Palmeiras, sendo que na final houve o polêmico lance do gol de cabeça de Leivinha que o juíz Armando Marques não marcou, dizendo que o exímio cabeceador fez com a mão. Mesmo assim, a conquista ficou em boas mãos, numa época em que o São Paulo ainda não sonhava com a Libertadores e os Mundiais.

    ResponderExcluir
  2. Ótimo post. Fiquei emocionado. Por favor, o convido a passar pelo meu blog, que também fala sobre jogos e times históricos. Um grande abraço e parabéns mais uma vez!

    http://tabelaonline.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Faltou uma menção ao ótimo goleiro Sérgio, que foi efetivado no lugar de Picasso para o campeonato de 1970, e Sérgio foi um dos destaques do campeonato.

    ResponderExcluir